domingo, 25 de abril de 2010

De banho a creche, pets têm tudo

Banho tomado, unhas cortadas, penteado feito, loção e perfume। As atividades, comuns e necessárias para os seres humanos, já viraram pré-requisito também para muitos animais de estimação, em especial os cachorros. Especificamente em Mogi das Cruzes, há cada vez mais opções para os proprietários cuidarem de seus bichinhos e até praticarem pequenos luxos. Tudo isso graças à evolução do mercado pet, que é um fenômeno nacional e não deixou o Município de fora.

Nos últimos 10 anos, o crescimento do setor foi notável. Ao longo desse período, a Cidade ganhou grandes grupos, como Polipet e Center Marginal, e também registrou um significativo aumento nas lojas de médio e pequeno porte. Além de unidades comerciais dos mais diferentes tamanhos – no caso do Center Marginal, a loja no Mogilar tem 1000 metros quadrados – os mogianos encontram clínicas especializadas no atendimento veterinário que funcionam em regime de 24 horas, tratamentos alternativos para cães, venda de filhotes, farmácia, rações nacionais e importadas, roupas, itens de higiene e beleza, acessórios, petiscos, brinquedos, bijuterias, comedouros, tapetes higiênicos, livros e vídeos. Há, ainda, estabelecimentos que fazem adestramento de cães, promovem doações de animais, alugam cães de guarda, vendem filhotes e oferecem hotel para os bichinhos.

Essa ampla oferta de produtos e serviços acaba desencadeando o que muitos já chamam de humanização dos animais. Mas quem trabalha no ramo geralmente discorda da utilização do termo. Há quase 25 anos comandando a loja Mogivet, na Avenida Narciso Yague Guimarães, o empresário Fernando Cecin é um dos que acredita que tudo, na realidade, depende do bom senso. "Existem os que extrapolam. Acho que o dono tem de dar todo o carinho possível para o seu animal, mas tem de entender que cachorro é cachorro. Tudo, na verdade, é uma questão de bom senso".

Cecin, aliás, é um bom exemplo de quem viu o mercado pet da Cidade progredir। Para ele, esse avanço é algo extremamente positivo, pois estimula todos a se renovarem e a se manterem sempre atualizados. Ele mesmo admite que, não fosse o surgimento de grandes lojas, talvez ainda estaria no antigo e pequeno endereço.

O mercado de luxo animal foi algo que o empresário também incorporou ao longo do tempo. "No começo mexia mais com animais de grande porte. Depois, com a transformação e valorização desse mercado pet, adaptei toda a loja e comecei a explorar esse nicho. Ainda tenho produtos para grandes animais, mas esse ramo de cães e gatos é o mais rentável".

Literalmente encravado entre grandes lojas, ele defende que sua sobrevivência se dá por conta de alguns diferenciais. "Temos uma forma diferenciada de trabalhar. A loja existe desde 1986, então temos clientes fieis, e o atendimento é personalizado". A receita, aliás, tem dado tão certo que ele já tem planos de ampliar. "Quero crescer mais. Meu problema aqui é o espaço físico, mas em breve pretendo transferir meu depósito para outro local e usar o espaço dele para aumentar a loja", afirma.

Juntamente ao aumento no número de produtos e serviços, cresceu também a profissionalização nos tratamentos clínicos e ambulatoriais de cães e gatos. Hoje em dia, os cachorros que desenvolvem doenças como diabetes, por exemplo, já podem ser tratados com medicação específica. O veterinário Américo Tadashi Miki, que atua em uma clínica no Alto do Ipiranga, informa que os serviços mais buscados atualmente para os pets são vacinação (20%), tratamento para problemas de pelo (30%) e para complicações gastrointéricas (30%). Já os 20% restantes, diz ele, ficam distribuídos entre percalços variados, como tumores, neoplastia, problemas de ouvido e acidentes, tais como brigas, atropelamentos e envenenamentos.

Miki tem uma posição firme com relação à expansão do mercado de luxo para animais de estimação. De acordo com ele, o mais importante é cuidar da higiene, saúde e dar carinho para os bichos. O restante, para ele, é supérfluo. "A medicina humana diz que o mais importante é ter qualidade de vida e prevenir doenças. Dar roupas, banhos, colocar brincos e tudo mais é secundário. O cachorro só precisa de duas coisas, além da vacina: comida e carinho. O que acho preocupante é uma reversão de valores. Às vezes, a pessoa se preocupa em comprar roupas de marca para o animal, mas esquece das partes mais importantes, que são cuidados sanitários, vacinação".

A própria diversificação nos tipos de ração, segundo o veterinário, não é algo extremamente necessário. De acordo com ele, analisando de perto é possível perceber que todas as rações são feitas com base em subprodutos de frango, a proteína animal mais barata que existe. As diferenças de preço, diz ele, vem de aspectos externos. "Existe o vitamínico mineral que eles usam, o aromatizante, o estabilizante e aí tem o pacote que tem alumínio, o outro que não tem. As rações industriais, na verdade, tem muita aceitação porque elas são muito cômodas, mas na realidade o cachorro não a comeria se tivesse outras opções".

Quanto à questão da humanização, ele também é contra. De acordo com ele, o certo seria se falar na individualização dos animais. Isso porque, uma vez que são criados em casa e têm todo tipo de cuidados e mimos, os cães acabam perdendo o instinto natural de bando, e criam até mesmo um ambiente de territorialismo. "Ele deixa de aceitar cachorros de fora, quer ser dono do outro. Acho ótimo as pessoas se preocuparem e cuidarem de seus बिचोस

Fonte: O Diario de Mogi

Luisa Mell promove adoção de animais em SP

Luisa Mell desfila com cachorro Foto: Fabio Guinalz/AgNews

Luisa Mell desfila com animais em evento em SP
Foto: Fabio Guinalz/अग्नेव्स

Famosa também pela sua defesa aos animais, a apresentadora Luisa Mell participou neste sábado (24) em São Paulo da campanha Adoção sem Preconceito, que busca um lar para animais idosos, deficientes e de pelagem preta.

Luisa teve o apoio das atrizes Alexia Dechamps e da modelo Tânia Oliveira no evento। As três guiaram os animais em um desfile.

Fonte: Terra Brasil

sábado, 24 de abril de 2010

Apenas 70 cães guia para 5 milhões de deficientes visuais

Cão Guia Brasil luta para diminuir a enorme falta de animais licenciados no País

Caio Kenji - Jonas Demétrio e Jorge Harrison com seus respectivos cães guia do Instituto Cão Guia Brasil
Jonas Demétrio e Jorge Harrison com seus respectivos cães guia do Instituto Cão Guia Brasil"
Crédito: Caio Kenji

Segundo informações da Associação Brasileira de Oftalmologia, existem hoje no Brasil cerca de 5 milhões de deficientes visuais e apenas 70 cães guia licenciados. É essa disparidade gritante que entidades como o Cão Guia Brasil pretende mudar.

Treinar um cão guia não é um processo fácil ou barato. “É necessário um ano e meio a dois para se treinar um cão guia”, disse o representante da entidade, Jorge Thomas Harrison. “A demanda é muito grande. Temos uma lista de espera de cerca de 12 mil deficientes visuais aguardando um animal”. A entidade consegue treinar cinco cachorros anualmente.

Os motivos da grande falta de cães guia são diversas. Primeiro, não temos uma tradição de treinamento dos animais. “Esse processo só começou no Brasil em 2000, 2001, sendo que nos Estados Unidos, por exemplo, isso já é feito há cerca de cem anos,” disse Harrison. Outro motivo é a completa falta de incentivo governamental, que dificulta que iniciativas consigam levar a cabo um trabalho tão longo e caro.

Não há uma raça mais ou menos adequada para se tornar um cão guia, o que existe são limitações por porte e temperamento. Uma das raças mais populares, por se encaixar no perfil adequado, é o simpático Labrador. Mas outras raças estão ganhando espaço também, como o Flat-Coated Retriever, que por soltar menos pelos está se tornando um boa opção para deficientes visuais alérgicos.

A Cão Guia Brasil irá receber doações de celebridades durante o desfile principal do Pet Fashion Week para continuar proporcionando segurança na locomoção e equilíbrio físico e emocional aos deficientes visuais do Brasil।

Fonte: PetMag

Casinhas ecológicas para cães e gatos

O designer Luan Kehl Villas Bôas criou, junto com dois sócios, a linha Ecobichos, com produtos ecológicos para animais de estimação. Sáo casinhas de papelão para cães, caixas de areia para gatos e vários outros produtos, tudo desmontável.

Uma grande idéia que faz bem ao meio ambiente e garante conforto aos bichinos e seus donos.

Tem até um “condomínio” para gatos (o dono do bichano pode fazer com casinhas empilhadas), e caixa para transporte.

O papelão é 100% reciclável e biodegradável.

Fonte: Zero Hora

Música e Consciência - 29/04

Não perca! A sua voz é a voz dos animais

Não deixe para comprar seu ingresso na última hora, o número de lugares é limitado. Adquira o seu em qualquer unidade do SESC em São Paulo.



A ANDA (Agência de Notícias de Direitos Animais) - www.anda.jor.br – realizará um show para sensibilizar as pessoas em relação aos direitos animais e à preservação do planeta, no próximo dia 29 de abril, no SESC Pompéia (choperia), às 21h.


Grandes nomes da música brasileira, como: Fernanda Porto, Nuno Mindelis, Palavra Cantada, Patrícia Marx, Renato Teixeira, Teatro Mágico já estão confirmados. A atriz Gabriela Duarte também estará presente para chamar a atenção sobre a necessidade de mudarmos nossas atitudes.

O concerto “ANDA – Música e Consciência – Pelos animais, pelo Planeta” pretende disseminar por meio da música e dos artistas a importância de vivermos em harmonia, respeitando a vida.

Durante o evento, o artista plástico ambiental Alexandre Huber, pintará um grande painel retratando animais marinhos (a vida nos oceanos).

Será o primeiro show no Brasil com a proposta de levar uma mensagem de convivência pacífica e ética com todos os seres. Os artistas dão um exemplo de consciência ao se reunirem para cantar e se apresentar sem cachê. Todo o evento está sendo construído com colaborações voluntárias.

As emissões de gases estufa provocadas pela realização do show "ANDA – Música e Consciência" serão neutralizadas com o plantio de árvores no Parque Ecológico do Tietê. A iniciativa é uma parceria da ANDA com o Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza.

Mais sobre a ANDA (Informar para Transformar)
A ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais – foi fundada em 28 de novembro de 2008 pela jornalista Silvana Andrade e tem como seus principais objetivos difundir informações e valores que gerem consciência para defesa e garantia dos direitos animais, incentivar à reflexão sobre a necessidade de mudar a maneira como os animais são considerados na sociedade, gerar a percepção de que podemos construir um mundo de paz para todos os seres e criar ações que estimulem a convivência harmônica entre pessoas e animais.

A equipe é formada por jornalistas, filósofos, biólogos, nutricionistas, advogados, promotores públicos, professores, escritores, publicitários, entre outros profissionais que atuam voluntariamente na ONG. Atualmente são 36 colunistas, além das colunas, o site conta com mais de 300 artigos postados e entrevistas exclusivas. Cerca de 50% das notícias publicadas são produzidas pela redação da ANDA, o restante são clipadas de outros veículos. Com tão pouco tempo de existência, a ANDA já conta com cerca de 200 mil acessos únicos por mês e internautas em 65 países.

Serviço:
Anda – Música e Consciência Pelos Animais, pelo Planeta
Data: 29/04/2010
Horário: 21h
Censura livre
Local: Sesc Pompéia - Choperia - São Paulo / SP
Ingressos: R$20,00 (inteira), R$10,00 (meia-entrada) e R$ 5,00 (comerciários)
Idealização e Realização: ANDA
Parte da renda será revertida para a ONG

Cachorro morre intoxicado por coleira anti-pulgas e a Bayer tem de indenizar o dono

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal condenou a empresa Bayer do Brasil a indenizar por morte de cachorro intoxicado por coleira protetora contra pulgas e carrapatos. A sentença, dada pelo juiz do 2º Juizado Especial Cível do Núcleo Bandeirante, foi confirmada pela 2ª Turma Recursal do TJ e pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e, portanto, não cabe mais recursos.

De acordo com os autos do processo, o autor alegou que deu, de presente de aniversário de dez anos, ao filho, um filhote da raça Bernese Montain Dog, adquirido em Caraguatatuba-SP. O animal custou R$ 2.000 e o autor pagou R$ 309 pela caixa de transporte. O cão passou por uma consulta, antes do envio, que custou R$ 30. Depois, foi transportado por via área para o DF, pela TAM, o que custou R$ 851,54.

Ao chegar ao DF, o animal foi avaliado e se confirmou o seu perfeito estado de saúde. A veterinária sugeriu que o autor colocasse uma coleira Kiltix, fabricada pela Bayer do Brasil, para proteger o filhote contra pulgas e carrapatos. O autor afirmou que, ao chegar a casa, o animal lambeu a coleira e se intoxicou. O cachorro chegou a ser internado em hospital veterinário, mas morreu. Segundo o pai, a morte do animal lhe causou muito desgaste e sofrimento, especialmente por ver o filho sofrendo.

Em contrapartida, a Bayer afirmou que a culpa foi exclusiva do autor, ao permitir que o animal mastigasse a coleira, e que esta é eficaz e segura. Além disso, argumentou que o animal morreu porque já estava doente e que o autor não demonstrou sofrimento moral com a morte do animal, não tendo direito de receber indenização em nome do filho.

Na decisão de primeira instância, o juiz se baseou no CDC (Código de Defesa do Consumidor). Para o magistrado, a afirmação da Bayer de que o autor não observou as regras de cuidado na colocação da coleira é improcedente, pois a coleira não foi colocada no animal pelo requerente, mas pela veterinária. Tal fato foi confirmado por meio de testemunhas. O juiz explicou ainda que não houve provas de que o cão tenha mascado a coleira ou engolido um pedaço dela. Em depoimento, a veterinária disse que a coleira estava inteira e que aparentava sinais de uma mordida somente.

Além das testemunhas, houve provas concretas de que o animal morreu devido à intoxicação pela coleira. “O fato de o animal ter-se intoxicado por uma simples mordida na coleira, não pode ser adotado em favor da requerida, cabendo a esta implementar medida de segurança em seu produto, de tal sorte que o dano ao animal não se consuma neste caso”, afirmou o juiz. Dessa forma, o magistrado condenou a Bayer a indenizar o autor em R$ 6.429,88 por danos materiais e em R$ 1.000 por danos morais.

A Bayer entrou com recurso na segunda instância do TJ-DFT, que o rejeitou e manteve a sentença por maioria। De acordo com o relator da 2ª Turma Recursal, não houve culpa exclusiva do recorrido, pois ele agiu com extremo cuidado ao contratar médico veterinário para colocar a coleira no animal. No STF, a 2ª Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental interposto pela Bayer, mantendo a sentença inicial.

Abrigo dos Bichos promove Tarde Beneficente em prol dos animais em Campo Grande



A Ong Abrigo dos Bichos promove no dia 2 de maio uma “Tarde Beneficente” em Campo Grande em prol dos animais vira latas resgatados pelo grupo. Toda a arrecadação do evento será revertida para quitação de despesas em clínicas veterinárias, com medicamentos, exames e ração.

A ação será realizada na Associação dos Ex-Pracinhas da FEB (Força Expedicionária Brasileira), na rua 13 de Maio, 4.101, a partir das 15h30. O convite para quem quiser ajudar terá o custo de R$ 10.

Maiores informações podem ser obtidas pelo telefone (67) 3326-1406।

Fonte: Portal do Jornal A Crítica de Campo Grande/MS

Associações protestam contra centro de produção de animais


Várias associações de defesa dos animais protestam hoje à tarde em Lisboa contra a construção de um centro de produção de animais para fins experimentais।

O centro ficará localizado na Azambuja e será uma dos maiores da Europa.

Trata-se, contudo, de um “mau investimento”, defende Constança Carvalho, activista da Plataforma de Objecção ao Biotério.

“É um investimento extemporâneo, [que] não faz sentido numa altura em que os biotérios da Europa estão a fechar”, afirma, referindo que o projecto vai custar “27 milhões de fundos comunitários, que podiam ser aplicados no desenvolvimento de projectos importantes para Portugal”.

O Biotério é, no entender de Constança Carvalho, “um projecto condenado ao fracasso, porque existem cada vez mais alternativas à experiência animal, que são cada vez mais utilizadas”.

O Biotério da Azambuja é uma obra da Fundação Champalimaud, instituição que a Plataforma de Objecção ao Biotério convida a mudar o seu investimento para um centro de “alternativas à experiência animal”.

A marcha de protesto está marcada para as 14h30 e irá percorrer várias artérias da capital.


Fonte: Rádio Renascença















sexta-feira, 23 de abril de 2010

Três feiras de animais ao mesmo tempo em Curitiba!

Hanna é uma das que esperam um novo lar
Hanna é uma das que esperam um novo lar
Apesar da chuvarada que promete castigar o final de semana, Curitiba terá nada mais nada menos do que três feiras para adoção de animais.

Os amantes dos bichinhos poderão comparecer no Parque Bacacheri (entrando pela entrada dos fundos) , na Best Friend e no Cãopani. Todas as feiras acontecem entre as 10h e 16h.

Esta é uma boa oportunidade para conseguir animais adultos ou filhotes, de várias raças, que são resgatados das ruas, tratados, vacinados e colocados para adoção.

E então? Afim de adotar um?

Basta ser maior de idade e levar documento de identidade e comprovante de residência e assinar um termo de adoção e posse responsável.

Os eventos são gratuitos exceto no Cãopani que tem uma taxa de R$ 10 revertida em benefício dos animais já resgatados.

Tire um animalzinho das ruas e coloque mais alegria na sua casa.

Deputado solicita revogação de lei que legaliza crueldade contra animais no Rio Grande do Sul

Vice-líder do PSDB na Câmara, o deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), solicitou nesta sexta-feira à governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, que revogue a Lei 12.131 que altera o Código Estadual de Proteção aos Animais do Rio Grande do Sul. Em ofício enviado ao gabinete da governadora, Tripoli argumentou que a proposição sancionada em 2004 afronta o bem-estar animal, pois permite que ocorram maus-tratos em rituais das religiões afro-brasileiras.

“É uma proposta malfada, uma atrocidade. Nossa manifestação é contrária pois a lei permite que os animais sejam torturados e sacrificados indiscriminadamente durante cerimônias religiosas”, atentou. No documento, o parlamentar paulista também ressaltou que, se houver necessidade, entrará com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) junto ao Supremo Tribunal Federal com a finalidade de suprir a lei.

Fonte: Lobo Repórter

quarta-feira, 21 de abril de 2010

22 de Abril: Dia do Planeta Terra

O Dia Internacional do Planeta Terra é comemorado dia 22 de abril desde 1970. Esta data foi criada pelo Senador norte-americano Gaylord Nelson que convocou o primeiro protesto nacional contra a poluição.

Tem por finalidade criar uma consciência comum aos problemas da contaminação, conservação da biodiversidade e outras preocupações ambientais para proteger a Terra।
A Terra é cem vezes menor que o Sol। Apresenta 510,3 milhões de km2 de área total, sendo que aproximadamente 97% é composto por água (1,59 bilhões de km3). A quantidade de água salgada é 30 vezes a de água doce e 50% da água doce do planeta está situada no subsolo.

Viva ao planeta terra! Vamos proteger nosso querido lar!

Jibóia com mais de 2 metros é encontrada em área residencial de Tangará Cuiabá.

Jibóia assusta moradores em área residencial, mas é capturada facilmente pelo Corpo de Bombeiros do município.

Uma jibóia medindo dois metros de comprimento foi encontrada próxima à um bosque por um grupo de moradores de Tangará da Serra, a 240 quilômetros de Cuiabá.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o bosque abriga vários tipos de animais, dentre eles a jibóia. O animal, segundo a Corporação Socorrista, é de natureza pacífica, não é venenosa, e nunca ataca o homem. Ao contrário, foge à sua aproximação. Além disso o bicho raramente passa de 3 metros de comprimento e pode viver até 25 anos e pesar entre 35 e 40 kg.
Mesmo "inofensiva", o animal assustou os moradores da área próxima ao Bosque Municipal, que possui até cerca para evitar que outros animais fujam do local.
“Em virtude de ser área urbana e para evitar que fosse capturada por outras pessoas que poderiam matá-la, fomos até o local e após a captura, levamos a um local afastado de moradores e soltamos no habitat”, explicou o sargento Élson Costa, que participou do resgate e da confecção desta ocorrência.



Fonte: ExpressoMT


Garça com asa quebrada é recolhida em Vitória

foto: Bernardo Coutinho - GZ
Garça com asa quebrada é encontrada na baía de Vitória
Garça com asa quebrada é encontrada na baía de Vitória

Uma garça ferida chamou a atenção de pedestres que passavam pelo calçadão da Avenida Beira-Mar, , na manhã desta quarta-feira (21). Na tentativa de socorrer a ave, muitas pessoas ligaram para órgãos ambientais, que poderiam recolher o animal.

No entanto, nem o Centro Integrado de Operações e Defesa Social (Ciodes-190), nem a Polícia Militar Ambiental foram ao local. Eles informaram às pessoas que quem deveria recolher a garça seria o Ibama.

A jornalista Gabriela Rölke foi uma das pessoas que, por correr diariamente no calçadão, deparou-se com a ave. Ela contou que a garça foi encontrada em uma pedra na baía de Vitória e foi colocada no calçadão por um homem que caminhava na Beira-Mar. A jornalista também tentou entrar em contato com os órgãos ambientais, mas também não obteve sucesso. A garça estava com a asa quebrada e não conseguia se mover.

"O Ciodes me direcionou para a Polícia Ambiental, que disse que o Ibama deveria fazer o recolhimento do animal, mas no Ibama ninguém atende. A ave está sem nenhum socorro, e com a asa quebrada. Eu só lamento porque se existem órgãos ambientais, a quem cabe fazer esse tipo de resgate, eu acho que deveriam atender e funcionar", afirma a jornalista.

O telefone do Ibama - cujos servidores estão em greve - não foi atendido. Dois guardas municipais de trânsito, que trabalham na região da Avenida Beira-Mar, pararam para ajudar. Os agentes Siqueira e Douglas ligaram para vários números de telefone dos órgãos ambientais e conseguiram o contato de um membro da Sociedade Protetora dos Animais.

Uma veterinária que atende também a animais silvestres, receberia a garça. A jornalista levou a ave até a clínica, localizada no bairro Bento Ferreira, em Vitória. Mesmo às voltas com outros animais que precisavam de atendimento - em pleno feriado - a veterinária Rosemere Rossoni Domingos aceitou atender o animal.

Ela disse que, provavelmente, a ave teria que ser submetida a um procedimento cirúrgico। A médica veterinária também explicou que garças são animais extremamente "estressáveis" e sensíveis. A reportagem tentou falar com a assessoria de imprensa do Ibama, mas o telefone da assessoria também não foi atendido.

Fonte: Gazeta OnLine

24 pássaros silvestres são apreendidos em MG

Gaiolas
Pássaros silvestres eram mantidos em cativeiro em
Governador Valadares (Foto: Divulgação)

A Polícia Militar de Meio Ambiente apreendeu 24 pássaros silvestres mantidos em cativeiro em Governador Valadares (MG), na terça-feira (20). Após uma denúncia anônima, os animais em condições irregulares foram encontrados em uma casa.

De acordo com a polícia, 17 pássaros estavam com anilhas, mas o dono das aves não apresentou a documentação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os outros pássaros estavam sem anilhas.

O dono dos animais poderá ser autuado pelo Ibama em R$ 500 por pássaro e responderá em liberdade por crime ambiental।

Fonte: G1

Ativistas mexicanos protestam

A Plaza de Armas, localizada no centro de Durango, no México, foi o cenário onde os ativistas da organização em defesa dos animais AnimaNaturalis encenaram um ato em protesto contra a matança anual de focas no Canadá.

Ativistas simularam a matança das focas (Foto: AnimaNaturalis)

Duas ativistas, caracterizadas como focas, simularam serem espancadas por um caçador, que as esfolaram até a morte. Simultaneamente, foram distribuídos centenas de panfletos sobre o assunto, e palavras de protesto foram ditas através de um megafone.

As ativistas caracterizadas como focas emitiam gemidos durante a simulação do espancamento, o que chamou a atenção das pessoas que circulavam na área, que depois de receberem informações mais detalhadas sobre a caça das focas, manifestaram o seu apoio, dizendo que o governo canadense não deve apoiar a matança dos animais.

Com informações de AnimaNaturalis

ANDA

Mariposa gigante e rara é fotografada na Índia

Foto: EFE

Uma mulher foi fotografada nesta quarta-feira (21), exibindo uma mariposa gigante, em Guwahati, na Índia. A indiana segurava um galho de árvore equilibrando o animal de rara cor e tamanho.

No norte do País encontraram mais de vinte espécies do inseto, mas seus ciclos ainda estão sendo estudados. As mariposas são insetos lepidópteros da divisão dos heteróceros.

Esses animais possuem antenas diferenciadas de acordo com sua espécie. Assim que pousam, elas deixam suas asas abertas e geralmente têm hábitos noturnos.

Fonte: Terra

Apreendida uma tonelada de barbatanas de turbarão no Pará

Uma tonelada de barbatana de tubarão que seria exportada para o Japão foi apreendida, nesta terça-feira, no porto de Belém. De acordo com o Ibama, a “carga” está avaliada no mercado internacional em cerca de R$ 30 mil. O proprietário da exportadora foi multado em R$ 52 mil. As embarcações que pescaram os animais também serão autuadas e toda a “carga” será destruída.

As barbatanas têm valor comercial muito superior ao restante da carcaça, por isso, em alguns casos, ocorre apenas a retirada da barbatana e o descarte do animal no mar o que, além de ser proibido pela legislação ambiental causa intenso sofrimento ao animal.

Algumas das espécies de tubarão da costa brasileira estão ameaçadas de extinção.

O Globo

ROUBO DE OVOS DE TARTARUGA: A denúncia é VERDADEIR A! não é boato


ROUBO DE OVOS DE TARTARUGA: A denúncia é VERDADEIRA! não é boato

Repassando mensagem de Germano Woehl Jr, diretor do Instituto Rã-Bugio, de SC

Circulam na internet, há meses, imagens chocantes de pessoas saqueando ovos das tartarugas. Estas imagens não mentem. Infelizmente, a denúncia procede A população local realmente saqueia os ovos das tartarugas para vender aos restaurantes e com autorização das autoridades da Costa Rica.

Saiba tudo sobre as consequências desastrosas deste projeto macabro de "manejo sustentável" de ovos de tartaruga nas praias da Costa Rica, que já teve até matéria de alerta no jornal The New York Times

Saiba mais')" href="javascript:void(0);">http://ra-bugio.blogspot.com/

Algumas mensagens atribuem o local como sendo o rio Solimões, no Brasil. O que não é verdade. Pode-se comprovar isso facilmente nas inscrições dos sacos (escrito em espanhol), nas ondas do mar (rio Solimões?), nas características das pessoas... das imagens.

Instituto Rã-bugio para Conservação da Biodiversidade

Jaraguá do Sul – SC

Saiba mais')" href="http://www.ra-bugio.org.br/">http://www.ra-bugio.org.br/

terça-feira, 20 de abril de 2010

Abertas inscrições para 8ª Cãominhada em Blumenau

Evento ocorre dia 13 de maio, em frente ao Parque Vila Germânica

Os interessados em participar da 8ª edição da Cãominhada, que ocorre no dia 16 de maio, já podem se inscrever. O cadastro deve ser feito pelo e-mail caominhadablu@blumenau.sc.gov.br ou pelo telefone 3326-6901 até 13 de maio.

A Cãominhada ocorre na Rua Alberto Stein, em frente ao Setor 3 do Parque Vila Germânica, das 8h (recepção dos animais) até as 12h.

Durante o evento haverá apresentações de Agility (cães passando por obstáculos), orientações aos participantes e feira de adoção de animais. Cães de grande porte e de guarda deverão usar focinheira. No local haverá um veterinário de plantão para atendimento mediante apresentação da carteirinha de vacinação do animal.

JORNAL DE SANTA CATARINA

Animais silvestres são apreendidos em Duque de Caxias (RJ)

Policiais civis da 59ª DP (Duque de Caxias – RJ) realizaram uma operação na feira livre daquele município, na manhã deste domingo (18/04), para combater a venda de animais silvestres. Na ação, quatro pessoas foram presas em flagrante e grande quantidade de animais silvestres apreendidos.

Foram apreendidos um papagaio, um gavião, três corujas, 36 melros, quatro xanxões, um trinca ferro, um tiê sangue, um tucano, seis jabutis e duas tartarugas d’água. O tucano foi apreendido com Alexandre Teixeira Da Silva, 31 anos. Os jabutis e as tartarugas foram encontrados com Aline Silva De Souza, 30, e os demais animais estavam dentro do porta malas de um veículo, onde foram presos Wallas Da Silva Rangel, 29 anos, e Valdeir Siqueira De Oliveira, 33 anos.

De acordo com os agentes, alguns animais estavam amontoados dentro de pequenas gaiolas de transporte, sem comida e água, enquanto outros estavam amarrados dentro de sacos. Todos os presos foram autuados pela prática de crime ambiental, maus-tratos a animais e receptação qualificada. Os animais foram encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), em Seropédica.

Fonte: Site da Baixada

Hospital de São Paulo realiza tratamento com células-tronco para animais

Foto: Flickr/CC - tigerweet

A utilização de células tronco para o reparo de órgãos e tecidos lesados já não é mais um benefício apenas para seres humanos. Isso porque a Celltrovet e o Hospital Veterinário Sena Madureira acabam de firmar uma parceria para implementação do tratamento clínico e realização de estudos científicos em áreas ainda pouco estudadas em cães e gatos. Vale lembrar que a prática já é muito difundida em países como Estados Unidos, que a utiliza como coadjuvante à terapia convencional.

Atualmente, existe grande potencial de indicação das células-tronco para casos como aplasia de medula, lesão renal, dentre outros. Além disso, o tratamento se mostrou eficaz para lesões de ligamento, de tendão, fissuras e fraturas. Segundo o dr. Mário Marcondes, diretor clínico do Hospital Sena Madureira, a parceria será pioneira no Brasil, no tratamento de doenças articulares com células-tronco oriundas de tecido adiposo, em cães e gatos. A expectativa é que, em breve, outras áreas sejam mais aprofundadas, como a cardiologia.

O médico explica, inclusive, que o hospital irá selecionar tutores de animais que estejam interessados e deixar que os animais participem do tratamento gratuito por meio de células-tronco. Aparelhos de ponta como a tomografia computadorizada, ultrassonografia e ecocardiografia Doppler e tecidual, dentre outros parâmetros clínicos e laboratoriais, aliados a uma equipe multidisciplinar de aproximadamente 60 especialistas, entre eles, médicos veterinários especializados, pesquisadores, biomédicos, biólogos, dentistas e cientistas do Hospital Veterinário Sena Madureira e da Celltrovet, estarão envolvidos na avaliação dos pacientes.

Nesta primeira fase, o hospital realizará uma triagem gratuita dos clientes e pacientes voluntários, potenciais candidatos para a pesquisa, cujo tratamento será gratuito. Por outro lado, será realizada também uma avaliação médica e seleção de pacientes para o tratamento clínico para áreas em que o tratamento para cães e gatos já é rotineiro nos EUA. Neste caso, as consultas são particulares e o custo é avaliado de acordo com o caso clínico e região acometida.

Os tutores de cães e gatos que tiverem interesse em participar da terapia com células-tronco poderão entrar em contato direto com o Hospital Sena Madureira.

Serviço: Hospital Sena Madureira Local: Rua Sena Madureira, 898 – Vila Mariana

Site: www.senamadureira.com

Fones: (11) 5572-8778 / (11) 5572-8778 / (11) 5572-8778 / (11) 5572-8778 Fax: (11) 5574-7507

Fonte: UOL

domingo, 18 de abril de 2010

Aposentado procura abrigo para onze cachorrinhos abandonados em Franca (SP)

O que acontece quando alguém abandona 11 cachorrinhos na porta da sua casa?

O bancário aposentado José Carlos Gonçalves Dias, 56, sabe bem essa resposta. Desde o último final de semana ele tem perdido o sono, além de ter alterado totalmente sua rotina diária. Os cachorrinhos abandonados tem, aparentemente, menos de dois meses e são todos vira-latas. Segundo informações de seus vizinhos, José Carlos acredita que os filhotes foram deixados durante a madrugada na porta de sua chácara, localizada no Condomínio Campestre Ouro Verde, a 1,5 km depois da Emdef, no Distrito Industrial, em Franca (SP).

Cães abandonados aguardam adoção (Foto: Comércio da Franca)

“É muito desumano. Como alguém tem coragem de abandonar seres vivos assim, como se fossem lixos?”, questiona. O aposentado, que mora no Jardim Consolação, só ia até a sua propriedade nos finais de semana junto com a família. Agora, suas idas se tornaram diárias, para poder levar água e ração para os animais que estão no local. “Não posso deixá-los morrer de fome. Em casa fico pensando neles e no quanto sofrem no frio e na chuva, já que estão ao relento”, explica.

Apesar da vontade, José Carlos lamenta não poder ficar com os cachorros, já que possui outros três. Por isso, para que a história de abandono não se repita, ele buscou ajuda frente ao Corpo de Bombeiros e Prefeitura.

Mesmo apesar das diversas tentativas por telefone, seu problema não foi resolvido. Apostando como última alternativa, o aposentado recorreu à mídia. Ele acredita que a repercussão possa chamar atenção sobre a falta de projetos sérios para sanar o abandono e maus-tratos contra animais, impedindo que atos como este continuem se repetindo. “Esse não é um problema só meu. A sociedade precisa se unir e reinvidicar medidas eficazes. Falta, por exemplo, um projeto de castração, mais entidades que protejam esses animais e uma conscientização sobre a adoção. Parece que não existe ninguém disposto a agir por essa causa”, afirma.

Se você quiser adotar um ou mais dos 11 filhotinhos, entre em contato pelo telefone: (16) 3713-8897/ 3713-8829

Fonte: Comércio da Franca

Novas pradarias no fundo do mar da Arrábida, em Portugal, são zonas de refúgio e de reprodução

Zonas de refúgio e de reprodução de uma imensidade de espécies de peixes, crustáceos, bivalves, poliquetas (vermes) e equinodermes (estrelas, ouriços do mar), cobertas por uma rica e nutritiva vegetação marinha, estão espalhadas por toda a costa portuguesa, em especial no sul do país.

Mas junto da serra da Arrábida, quando o estuário do Sado acaba e começa o mar aberto, a pesca intensiva com o uso de grandes redes, a utilização de artes destrutivas dos fundos marinhos como o arrasto com ganchorras (gaiolas com pentes para apanhar bivalves) e a ancoragem desordenada de barcos arrancaram os prados marinhos, alteraram a natureza dos sedimentos e expulsaram a fauna que aí prosperava, destruindo comunidades que cresciam nas rochas e recifes ao largo do Portinho da Arrábida e de outras praias da região. Uma região que se quer candidatar a Património Mundial da UNESCO.

Mergulhadores levam plantas novas para o fundo do mar (Foto: Pedro Neves/Expresso)

Nesta faixa costeira de 38 km de extensão que constitui o Parque Marinho Professor Luiz Saldanha – entre a Praia da Figueirinha, na saída do estuário do Sado, e a Praia da Foz, a norte do cabo Espichel – se desenvolve há dois anos e meio um projeto pioneiro em Portugal: a plantação de prados marinhos para atrair de novo as espécies castigadas pelo excessivo esforço de pesca, numa zona considerada pelos biólogos como um hot spot de biodiversidade. O projeto chama-se Biomares e já permitiu a plantação de 50 novos prados, onde espécies em declínio, ameaçadas ou em perigo estão regressando, como o cação-liso, o cação-perna-de-moça, a raia-branca, o tamboril ou o pregado.

No último relatório do Centro de Ciências do Mar (Universidade do Algarve), que coordena o Biomares, constata-se que a monitorização feita pelo projeto no Parque Luiz Saldanha veio acrescentar 220 novas espécies “à já longa lista de registos dentro do parque marinho”, e eleva para 1.320 o número de espécies registadas no local.

Biólogos plantam e protegem os prados (Foto: Pedro Neves/Expresso)

Alexandra Cunha, coordenadora do Biomares e pesquisadora da Universidade do Algarve, explicou durante o intervalo da Conferência Internacional sobre Conservação Costeira, realizada no Estoril, que as conclusões deste relatório “mostram que existe uma tendência positiva, mas precisamos de dados mais consolidados, porque as pradarias marinhas demoram muito tempo para crescer – 10 anos em média -, o que significa que os quatro anos do Biomares (2007-2010) são insuficientes para sabermos com rigor qual o impacto do projeto na recuperação da biodiversidade marinha da Arrábida”.

Aliás, “estudos feitos em áreas marinhas protegidas em todo o mundo indicam que só ao final de 10 anos é que os ecossistemas se equilibram depois de serem afetados pelo excesso de atividade pesqueira”. Por isso mesmo os responsáveis pelo Biomares – que envolve 70 pessoas, 30 das quais cientistas, e foi financiado pelo Programa LIFE da Comissão Europeia – estão negociando com os parceiros a continuação do projeto para depois de 2010. Os parceiros são, além do Centro de Ciências do Mar (CCMAR), a cimenteira Secil (co-financiadora do projeto), o Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB), o Instituto Nacional de Recursos Biológicos/Ipimar, o Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), o Conselho Superior de Investigações Científicas (Universidade das Ilhas Baleares, Espanha) e a conhecida agência federal norte-americana National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA).

As pradarias marinhas já recuperadas (Foto: Pedro Neves/Expresso)

“Estamos preparando uma nova candidatura ao programa europeu LIFE”, revela Alexandra Cunha, “e em 2010 vamos reforçar as 50 pradarias já plantadas, que se encontram em zonas mais abrigadas, e criar 10 novas pradarias em zonas menos abrigadas”. O objetivo continua a ser a recuperação da biodiversidade, um conceito que pode ser definido como a variedade e a variabilidade existentes entre os organismos vivos e os processos ecológicos nos quais estas ocorrem. E além de zonas de refúgio e de reprodução dos peixes, as pradarias promovem a qualidade da água do mar, porque funcionam como filtros biológicos naturais.

Entretanto, um dos objetivos principais do Biomares é reconciliar as atividades turísticas e econômicas com a conservação da Natureza. Por isso já foram espalhadas pela superfície do mar, no Parque Luiz Saldanha, cerca de 100 ‘Bóias Amigas do Ambiente’. As âncoras dos barcos de recreio e os cabos que as seguram varriam o fundo do mar e destruíam habitats, mas com estas bóias presas ao fundo por cabos totalmente esticados, os barcos amarram-se a elas quando precisam estacionar, dispensando as âncoras. É um sistema usado em todo o mundo, em especial nas zonas de corais.

Fonte: Expresso

Água morna e escovação são aliados no dia a dia no cuidado com cães

Saúde animal

Foto: Extra Online

A praticidade que as pet shops trouxeram para a vida de quem tem um animal de estimação deixa, muitas vezes, os tutores sem experiência no trato com os bichos no dia a dia. Mas para quem quer aprender a cuidar do seu companheiro, as dicas começam pelo banho: use água morna.

“O ideal é molhar o animal com um balde ou cuia e usar água morna, por volta de 30 graus”, disse o veterinário Frederico Ribeiro.

O local para dar o banho deve ser o mais confortável possível para o tutor. Por isso, o tanque é melhor do que o box, já que o cão fica na mesma altura da pessoa.

Comece a lavar pela cabeça, passe pelo dorso e, por fim, limpe as patas. Mas os animais não devem tomar muitos banhos.

“Uma boa escovação diária reduz a necessidade de banhos frequentes. O ideal é de 15 em 15 dias”, afirma o veterinário. “Prefira xampus ou sabonetes neutros ou os próprios para cachorro. Sabão de coco é muito cáustico, há animais que não se adaptam bem”.

E para quem acha que cuidar de um animal poderia virar sua profissão, a Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais (Sepda), do Rio de Janeiro, criou um curso gratuito, que pode ser o pontapé inicial. São aulas de técnicas de venda de pet shop, banho e tosa, que já têm inscrições abertas pelo telefone (21) 3402-5417.

“O aluno recebe diploma oficial do programa do governo federal”, afirma o responsável pelo projeto, Marco Antônio “Totó”.

As 30 vagas serão para quem tem mais de 18 anos, no mínimo o Ensino Médio incompleto, esteja desempregado e recebendo seguro-desemprego.

Fonte: Extra Online

sábado, 17 de abril de 2010

Focas Harpa estão se afogando no mar pela falta de gelo no Canadá

Há duas questões extremamente frustrantes me causando desacordo com o governo no Canadá। A primeira é a ridícula posição teimosa do governo canadense de insistir em manter a matança de focas. A segunda é a arrogante e ecologicamente ignorante posição tomada pelo primeiro-ministro do Canadá Stephen Harper sobre a questão do aquecimento global e da mudança climática.

Focas Harpa estão se afogando no mar pela falta de gelo no leste do Canadá.

Em suma, o governo pensa que há uma população infinita de focas harpa a serem sacrificadas pelos neobárbaros de Newfoundland e da ilha Magdalene, em troca do contínuo apoio político para mantê-lo no poder. Neste caso, o governo canadense poderá continuar a destruir o planeta com megaprojetos como o Alberta Tar Sands e o progressivo aumento de emissão de gases das estufas.

As duas questões juntaram-se nesta semana. O gelo que sustenta o berçário das focas harpa simplesmente não está onde deveria estar esse ano. “Este ano tem sido incomum, a ponto de não haver nenhum gelo. Tivemos altas temperaturas, ventos fortes e, como resultado, muito pouco gelo”, disse Dan Frampton, supervisor de operações no gelo da Guarda Costeira. “À essa época do ano, blocos de gelo encontram-se normalmente na área de St. John” (em Newfoundland).

Frampton disse que quebradores de gelo têm estado à deriva porque não há blocos no Estreito da ilha de Belle entre a Península Nordeste de Newfoundland e Sudeste de Labrador, assim como no Golfo de São Lourenço ou mais ao Norte do centro de Labrador. “A costa Nordeste (de Newfoundland) está aberta”, disse.

Frampton diz que os blocos de gelo normalmente se formam durante janeiro e fevereiro. Ele disse que mesmo a queda de temperatura, em março, mantém improvável a mudança significativa das condições do gelo esse ano.

Agora o problema é que as focas precisam de gelo e, se não há gelo, os filhotes de foca serão jogados na água e morrerão afogados ou as focas serão obrigadas a dar a luz na praia, colocando-se à mercê da população local descontrolada, que poderá matá-las por “diversão”.

No Golfo de São Lourenço deveria haver ao menos um milhão de focas, mas apenas 500 foram contabilizadas. Caçadores de filhotes de focas harpa das ilhas Magdalene dizem que estão “com medo de que sua caçada não aconteça”. Me parece que eles deveriam ter um pouco mais de medo pelo fato de seu ecossistema inteiro estar se transformando.

Cientistas do governo canadense dizem que esse não é um acontecimento de um ano apenas. “Pela última década, o gelo não tem estado duro como na década anterior, o que sugere uma tendência em longo prazo”, disse Mike Hammil, que estuda as condições do gelo para a Fisheries and Oceans, do Canadá.

Hammil prevê que a falta de gelo possa levar à alta mortalidade de filhotes de focas. Ele diz que a população é suficientemente grande para sobreviver esse ano, mas pode não continuar sendo o caso se as condições do gelo continuarem assim por muitos anos.

Pessoas que vivem nas ilhas Magdalen, Quebec, no Golfo de São Lourenço, confirmam que os blocos de gelo normalmente vistos nesta época do ano ainda não se formaram na costa. “É, só há água ao redor da ilha. Não há gelo em absoluto”, diz o veterano fuzileiro naval Jean-Claude Lapierre. “Tenho 69 anos e nunca vi isso antes. Eu conversei com as pessoas mais velhas e é a primeira vez que elas veem isso.”

Aí está o desdobramento de uma previsão que fiz ao governo canadense há duas décadas, quando os alertei de que as focas precisavam manter sua população, tendo em vista a futura mortalidade causada pelas mudanças climáticas. O Canadá insiste na existência de quatro a seis milhões de focas harpa em águas canadenses e nas cotas estabelecidas através dos anos com o objetivo de diminuir a população de focas sob a ignorante crença de que, quanto menos focas, mais peixes, especialmente bacalhau.

Os fatos ecológicos têm demonstrado o oposto: que quanto menor a população de focas, menor a de bacalhau, porque a foca harpa é o maior predador das espécies de peixes que caçam bacalhau. No entanto, os pescadores escolheram deliberadamente recusarem-se a acreditar no valor ecológico das focas, e, ao invés disso, vêm usando as focas como bode expiatório pela destruição do bacalhau causada pelas grandes dragas industriais, causadoras do colapso da pesca em 1992.

Há 500 anos, havia cerca de 40 milhões de focas no Leste, incluindo focas cinza, de capuz, foca comum, a extirpada walrus, além da harpa. Com a população das focas reduzida a menos de 10% da original desde a época da colonização europeia, as várias espécies de focas diminuíram e encontram-se numa posição extremamente vulnerável perante as mudanças climáticas. Se o gelo desaparecer, as focas também desaparecerão. É o mesmo tipo de falta de visão e falta de entendimento ecológico que permite que a matança das focas continue, mesmo que seu futuro esteja ameaçado pelo aquecimento global.

Felizmente, governos europeus mais iluminados tomaram partido e baniram os produtos provenientes de focas, o que irá impor uma redução significante no número de focas assassinadas pelos bárbaros de tacos da costa Leste canadense. No entanto, o fato é que cada foca assassinada enfraquece a capacidade da espécie de sobreviver às bruscas mudanças climáticas.

É claro que sempre há aqueles que podem racionalizar todas as tragédias da natureza. É como um morador de Newfoundland me disse, alguns anos atrás, quando eu mencionei a possibilidade de o aquecimento global causar diminuição na formação de gelo, ameaçando a existência das focas harpa. Ele tomou um gole da sua cerveja e me lançou aquele olhar sabe-tudo de pescadores e disse: “Bom, então nós podíamos matar logo todas antes que elas sintam falta do gelo.”

Essa parece ser a estratégia do governo canadense – matar as focas, assim ninguém notará a falta do gelo.

Fonte: Sea Shepherd

Convocação: Protesto contra a Puxada de Cavalos!

Convocamos a todos os amantes, protetores, ativistas pelos direitos animais e defensores da vida e da liberdade a protestar contra essa covardia que acontecerá no próximo DOMINGO, 18 de abril, em Pomerode -SC।

A Puxada de Cavalos é um evento (ou sessão de tortura?) onde estes animais são obrigados a puxar cargas de até (pasmem!) 2 toneladas, “incentivados” por tapas, socos e ponta-pés. O evento será no Clube de Caça e Tiro da cidade, local bem apropriado, diga-se de passagem, visto a crueldade dos fatos. Veja aqui vídeo de uma Puxada de Cavalos.

Ano passado voluntários da OBA! participaram do protesto organizado pela AMA bichos, Ong de proteção animal da cidade - leia o relato aqui.

Especialistas em Direito dizem que a prática é tão cruel quanto a farra do boi, portanto criminosa e deveria ser combatida como tal!

Enquanto isso, do outro lado o poder público finge não saber de nada, a CIDASC continua autorizando esse show de horrores e a maioria da população da cidade prefere não se manisfestar!

Recentemente, dois protestos da causa animal foram destaque em todo mundo.

Em São Paulo, ativistas fizeram uma manifestação na avenida Paulista contra o confinamento de animais. O Grupo Ativeg espalhou nas calçadas, cinco jaulas com pessoas que ali permaneceram presas durante todo o domingo, sem acesso a água ou comida, dividindo entre si o apertado espaço com praticamente nenhuma mobilidade corporal.

A outra grande manisfestação aconteceu em Portugal e reuniu mais de 3 mil pessoas em Lisboa. A associação Animal convocou a todos para uma marcha-protesto pela defesa dos animais e contra as touradas e a população atendeu, chamando a atenção de todos os governantes mundiais.Veja o vídeo aqui.

Essas pessoas deram o exemplo e deixaram claro que realmente se importam, exigindo uma mudança urgente.

É chegada a hora de mostrar que nosso povo tem força quando unido!

Venha conosco até Pomerode neste domingo para exigir que esta barbaridade tenha um fim!

Contatos: Heike Weege – voluntária AMA-Bichos – Fone: (47) 9955-1669

Ana Lúcia Martendal – Diretora Organização Bem-Animal – Fone: (48) 9114-2537

Quem puder, leve cartazes com frases de conscientização.

Mostre a sua indignação!

TELEFONES PARA LIGAR E PROTESTAR:
Prefeitura de Pomerode: (47) 3387-7200
Rádio Pomerode: (47) 3387-1788
Rádio Portal: (47) 3387-0165
EMAILS PARA PROTESTO:
Prefeito de Pomerode: prefeito@pomerode.sc.gov.br
Câmara de vereadores :camara@cmpomerode.sc.gov.br
Jornal Pomeroder Zeitung:jornalpz@jornalpz.com.br
Ministério Público de Santa Catarina: ouvidoria@mp.sc.gov.br
BLOCO DE EMAILS:
prefeito@pomerode.sc.gov.br,camara@cmpomerode.sc.gov.br,jornalpz@jornalpz.com.br,ouvidoria@mp.sc.gov.br
O APELO:
Ilustríssimos Prefeito e Vereadores de Pomerode
Assim como Farra do Boi, rodeios, vaquejadas e tantas outras manifestações violentas disfarçadas de tradição, a Puxada de Cavalos é uma crueldade absurda! Como podem submeter animais a um esforço excessivo de até 2 toneladas? Como podem tratar os cavalos como fossem máquinas e obrigá-los a puxar tamanha carga apenas para divertimento humano? Gandhi afirmou uma vez que ”A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados”. E como a população de Pomerode está tratando seus animais? Os vídeos e as fotos demonstram apenas a falta de respeito e compaixão para nossos irmãos não-humanos. Cavalos não são nossos escravos. Por isso, solicito a imediata proibição de tal prática, fazendo cumprir deste modo o Artigo 32 da Lei 9605/98 de Crimes Ambientais, que considera crime praticar maus-tratos e ferir animais, fatos que se verificam na Puxada de Cavalos.
Atenciosamente
NOME COMPLETO
CIDADE
PAÍS

LIGUE E PROTESTE:

Prefeitura de Pomerode: (47) 3387-7200

Rádio Pomerode: (47) 3387-1788

Rádio Portal: (47) 3387-0165

EMAILS PARA PROTESTO:

Prefeito de Pomerode: prefeito@pomerode.sc.gov.br

Câmara de vereadores : camara@cmpomerode.sc.gov.br

Jornal Pomeroder Zeitung: jornalpz@jornalpz.com.br

Ministério Público de Santa Catarina: ouvidoria@mp.sc.gov.br

BLOCO DE EMAILS:

prefeito@pomerode.sc.gov.br, camara@cmpomerode.sc.gov.br, jornalpz@jornalpz.com.br, ouvidoria@mp.sc.gov.br

O APELO:

Ilustríssimos Prefeito e Vereadores de Pomerode

Assim como Farra do Boi, rodeios, vaquejadas e tantas outras manifestações violentas disfarçadas de tradição, a Puxada de Cavalos é uma crueldade absurda! Como podem submeter animais a um esforço excessivo de até 2 toneladas? Como podem tratar os cavalos como fossem máquinas e obrigá-los a puxar tamanha carga apenas para divertimento humano? Gandhi afirmou uma vez que ”A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados”. E como a população de Pomerode está tratando seus animais? Os vídeos e as fotos demonstram apenas a falta de respeito e compaixão para nossos irmãos não-humanos. Cavalos não são nossos escravos. Por isso, solicito a imediata proibição de tal prática, fazendo cumprir deste modo o Artigo 32 da Lei 9605/98 de Crimes Ambientais, que considera crime praticar maus-tratos e ferir animais, fatos que se verificam na Puxada de Cavalos.

Atenciosamente


NOME COMPLETO: ______________

CIDADE: ______________

PAÍS: ______________

ex-superintendente do Ibama é exonerado

Foi publicada no Diário Oficial da União a exoneração do servidor público do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) Miguel Delarmelina. O servidor foi afastado do trabalho em 2006 por manter um cativeiro de aves em sua casa, onde realizava transações ilegais. Além disso, foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF-ES) de receber propina para favorecer empresas em contratos com prefeituras no interior.

Delarmelina foi preso pela Operação Silvestre, do Ibama, em novembro de 2006, na mesma ocasião em que seis comerciantes também foram presos por tráfico de animais nos municípios de Vitória, Vila Velha, Guarapari, Marechal Floriano, Colatina, Pancas e Vila Valério.

Na ocasião, a informação da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e o Patrimônio Histórico (Delemaph) era de que os presos tinham envolvimento com o setor de coleta, distribuição e venda de aves como papagaio, além de ovos das aves. Os ovos eram vendidos por cerca de R$ 80 ao atravessador e chegavam a custar cerca de R$ 300 para o recepctador, ou criador.

Esses ovos eram vendidos até para países da Europa como Portugal. Parte da quadrilha foi presa tentando vender ovos para portugueses no aeroporto de Salvador em 2005. Os ovos também eram vendidose para a Alemanha, onde a ave chegava a valer 10 mil euros. Em 2005, uma capixaba foi presa ao chegar ao País transportando ovos das aves.

Miguel Dalarmelina responde em liberdade pelo crime de corrupção passiva (quando o servidor público recebe vantagem indevida em razão da função que ocupa), cuja pena é de dois a 12 anos de prisão. Ele também praticou o crime de tráfico de influência, cuja pena é de dois a cinco anos, ao solicitar vantagens de empresas a pretexto de influenciar em pareceres de responsabilidade de outros servidores do Ibama.

O fiscal do Ibama ainda praticou o crime de violação do sigilo funcional, cuja pena é de seis meses a dois anos de prisão, porque informava empresas sobre futuras fiscalizações da autarquia. Além disso, está envolvido em crimes ambientais porque comercializava ilegalmente animais apreendidos pelo Ibama.

Miguel Delarmelina já foi superintendente do Ibama no Espírito Santo, e tem mais de vinte anos de trabalho no órgão. Para se livrar de investigações internas, Delarmelina chegou a articular, com sucesso, a exoneração do superintendente do Ibama, que na ocasião era Ricardo Vereza. Um dia após a exoneração de Vereza, Delarmelina soltou foguetes em frente ao órgão.

Fonte: Século Diário

Os direitos dos animais

Por Josiele

Uma das grandes preocupações de quem zela pelo bem-estar dos animais é sobre como as pessoas têm coragem de abandoná-los. Eles são seres que possuem sentimentos, nos fazem companhia e, principalmente no caso dos cães, vivem praticamente para os humanos. A sociedade moderna vê os animais de outra forma. Eles deixaram de pertencer à classe dos que têm direito à vida e viraram objetos. Para algumas pessoas, não existe problema em não cuidar dos cavalos que trabalham tanto para elas. As pessoas estão perdendo os valores e demonstram isso na sua relação com os animais.

Temos a Lei 9.605/98, que trata de crimes ambientais. O artigo 32 diz que “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos” tem pena de três meses a um ano de prisão e multa, aumentada de um sexto a um terço, se ocorrer a morte do animal. São considerados maus-tratos abandonar, espancar, envenenar, não dar comida diariamente, manter preso em corrente, local sujo ou pequeno demais os animais domésticos, entre outras práticas. Essas ações são comuns e os agressores não sofrem penalidade. Lembram do carroceiro que não cuidou e não alimentou o próprio cavalo e o animal morreu em plena Avenida Beira-Mar, em Florianópolis? Sua pena foi apenas prestar serviços comunitários durante alguns meses.

Os animais também sentem dor e felicidade, mas há muitas pessoas que não percebem isso. O norte-americano Louis Camutti dizia: “Os animais não sofrem menos que os homens. A dor é a mesma para eles e para nós. Talvez pior, pois eles não podem ajudar a si mesmos”.

* Protetora dos animais e voluntária da Organização Bem-Estar Animal (OBA)

Fonte: Diário Catarinense

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Para encontrar um mascote

Foto: Divulgação / Associação Abaré
Foto: Divulgação / Associação Abaré
Neste sábado, dia 17 de abril, a Associação Abaré de Proteção Animal organiza uma feira de adoção de animais no estacionamento do Floripa Shopping (clique aqui e veja o endereço), das 10h às 17h.

O evento contará com dezenas de cães e gatos, adultos e filhotes, de todos os tamanhos e tipos disponíveis para a adoção. São animais que foram recolhidos por voluntários da Abaré e precisam de muito carinho e cuidado, pois já sofreram muitos maus tratos. Os animais são todos vacinados e castrados e estão prontinhos para serem levados para casa.

Para adotar, o interessado precisa levar um documento de identidade, comprovante de endereço e passar por uma entrevista com o protetor do animalzinho escolhido. Mais informações sobre o trabalho da ONG no site da Abaré.

O animal mais barulhento do mundo

O nosso mundo é algo muito interessante, principalmente quando se trata de curiosidades। Temos uma diversidade de animais incrível, e cada um deles com uma particularidade.

Animal Barulhento

Mas estamos aqui para falar sobre o animal mais barulhento do mundo. A primeira vista, deve-se imaginar que seja alguma ave, mas por incrível que pareça, ele é mais parecido com você do que você pensa! Não! Não é seu vizinho, muito menos aquele cara que fica com o som alto na avenida, ou na frente de sua casa! Mas é um parente próximo. Também não é o seu marido roncando! O animal mais barulhento do mundo é o bugio!

O bugio é um primata, um dos maiores primatas neotropicais conhecidos e catalogados. Ele possui um rugido tão alto que pode ser ouvido em uma distância de 16 km! Esse primata possui um pequeno osso chamado de hióide, que se apresenta entre a base da língua e a laringe do bugio. Esse pequeno osso, funciona como uma caixa de ressonância, ampliando o som emitido das cordas vocais do animal.

Por mais imponente que seja o rugido do bugio, ele é um animal muito tímido, que vive em bandos pequenos, com um líder macho mais velho, e que por trás de tanta timidez há um animal tão barulhento, e que parece nosso vizinho chato, que começa a barulheira logo de manhã cedo, dando rugidos com volume crescente.

Centro de Reabilitação recupera antas que sofrem com desmatamento

O Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), unidade mantida pelo governo do Estado do Mato Grosso do Sul, recebeu recentemente dois filhotes de antas encontrados pela Polícia Militar Ambiental (PMA) no interior do Estado.

Um dos filhotes, com cerca de dez dias de vida, foi encontrado em uma rodovia e morreu dias depois de ser recolhido por ter lesões internas. O outro estava sendo criado em um acampamento de sem-terras às margens de uma rodovia em Dois Irmãos do Buriti. Os acampados disseram aos policiais que estavam criando o animal porque a mãe fora atropelada.

(Foto: Edemir Rodrigues)

O animal, uma fêmea, foi levado ao Cras, onde está recebendo tratamento e sendo reabilitado, para que em breve seja devolvido à natureza.

Outros dois animais, machos, estão no Cras desde outubro de 2008. Eles foram recolhidos em São Gabriel do Oeste e em Costa Rica. Um estava sem as unhas dos membros posteriores, e o outro teve um deslocamento de cartilagem em uma pata traseira, em função de um atropelamento de maquinário de lavoura. Quando chegaram, não conseguiam nem andar. Após passarem por exames e tratamento, os animais já estão reabilitados e aptos à soltura.

Um dos médicos veterinários do Cras, Álvaro Cavalcante, explica que o filhote de anta nasce listrado e sempre acompanha a mãe por toda a parte, podendo chegar, quando adulto, a medir cerca de dois metros e pesar até 250 quilos. “É um animal de hábitos noturnos, mas pode ser visto ao anoitecer e infelizmente é muito caçado”.

Ele ressalta aos motoristas que passam por regiões de reserva e estradas de terra que tomem muito cuidado a partir do anoitecer até a madrugada, não só com a travessia de antas, como de lobinhos, tatus, tamanduás, seriemas, jacarés etc. “Precisamos nos conscientizar de que estamos tomando o espaço dos animais para as lavouras e pastos, e eles não têm mais o espaço adequado para sobreviver”.

Solturas

A legislação brasileira determina que a prioridade é o retorno dos animais à natureza. As solturas são feitas com o maior rigor técnico e têm apresentado resultados positivos. As solturas se dão em 150 fazendas no Estado.

Após a liberação dos animais na natureza, eles são monitorados diariamente por mais alguns dias. Em seguida, técnicos ambientais fazem visitas mensais aos pontos de soltura, por um período de um ano, colhendo informações.

O monitoramento consiste na observação das reações dos animais em relação à aproximação de predadores e do instinto de caça e alimentação, uma vez que até então eram acostumados a receber alimentos pelos tratadores.

Fonte: MS Notícias

Gato sobrevive após ser baleado com nove tiros

O pequeno Kitty desafia o velho mito que diz que os gatos têm sete vidas. Ele deve ter pelo menos nove. O felino que pertence a uma família de Traneberg, no oeste da Suécia, sobreviveu após ser baleado com nove tiros.

Após nove tiros, Kitty ainda conseguiu voltar para casa (Foto: Reprodução/Hallands Nyheter)

Ao chegar em casa sangrando no último sábado (10), o animal foi prontamente levado para uma clínica. Os familiares e os próprios veterinários acreditavam que o gatinho tinha se envolvido em uma briga com um cachorro. Mas logo verificaram que três projéteis de uma pistola de ar estavam alojados no corpo do animal.

Um tinha penetrado na região do nariz, outro um pouco abaixo de seu olho e um terceiro na barriga. No entanto, em uma inspeção mais detalhada, os especialistas constataram o total de nove tiros.

“Se o gato foi baleado nove vezes, ele claramente deve ter sido impedido de fugir”, explicou o veterinário Andrew Blockley, segundo o jornal local Hallands Nyheter.

Kitty foi operado na segunda-feira (12) e não corre risco de perder a vida. Já a polícia sueca abriu um inquérito para investigar o caso.

Fonte: Virgula.com.br

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir