sábado, 31 de dezembro de 2011

FELIZ 2012

O blog vegetarianos pelos animais agradece aos seus parceiros e amigos por mais um ano de luta e companheirismo. Que o ano vindouro venha com muita paz e que nossas esperanças sempre enraizadas em nossos corações continuem sempre fortes e soberanas. Que no ano de 2012 seja repleto de conquistas para todos nós. É o que deseja a VPA a todos os animais, parceiros e amigos.

Pets: proteção ameniza medo de fogos

Fim de ano é sempre um problema para quem tem bicho de estimação. Com a chegada das comemorações, as explosões de fogos de artifício costumam ser traumáticas para os animais, que têm audição bem mais sensível do que a humana.


O medo dos bichinhos é tão grande que muitos fogem apavorados e acabam, muitas vezes, até mesmo se perdendo de casa. Mas, para ajudá-los a contornar este período estressante, os donos podem adotar algumas medidas simples que se tornam bastante eficazes.


Uma das alternativas apontadas pela médica veterinária Maria Isabel Garib é usar florais para deixar o animal mais tranquilo. “Mas é preciso que ele comece a ser administrado uma semana antes, sob a supervisão de um especialista que calcule a dosagem correta para o animal. A última dose deve ser dada no final da tarde que antecede as comemorações”, aponta.


Na hora dos fogos, a dica é manter o pet preso em algum cômodo dentro de casa, com a porta fechada, o que evita a fuga e ajuda a abafar o barulho. O local deve ter água, alimento e o pano ou cama onde o bicho costuma dormir, além de pouca iluminação, para ajudar os bichos a se sentirem mais seguros e protegidos.


“Na penumbra, é como se eles estivessem em uma toca. Mas o ideal é que o dono fique ao lado do animal, para acalmá-lo nesta ocasião. Nos casos em que é inevitável deixar o cachorro sozinho, aconselho que ele fique em um local da casa que conheça e se sinta confortável”, aponta.


Segundo Maria Isabel, não é aconselhável deixar cães e gatos soltos no quintal. Isso porque, quando o barulho dos explosivos tiver início, eles poderão entrar em pânico e até mesmo se machucar. “Já acompanhei um caso de um rottweiler que atravessou uma porta de vidro durante a queima de fogos. Os bichos se sentem em meio a uma guerra mundial, não entendem o que está acontecendo e acham que vão morrer. Então, o desespero é grande mesmo”, comenta.



Algodão


Outra orientação da veterinária e que já é adotada há algum tempo pelo comissário de voo Vinicius Orti, 29 anos e dono de nove cães, é inserir tufos de algodão no ouvido dos animais. Em substituição a este estratagema, a indústria pet, bastante sofisticada, também já conta com protetores auriculares feitos em silicone, fabricados exatamente para estas ocasiões.


“Além de pôr algodão, deixo todos na lavanderia, que é o local mais afastado do som dos fogos. É claro que eles não deixam de ouvir o barulho, mas ameniza um pouco o medo que eles sentem”, diz Vinicius, que solta fogos todos os anos nas comemorações familiares realizadas na chácara onde vivem labradores, pastores alemães e um dálmata.


Alguns veterinários também possuem o hábito de receitar ansiolíticos para diminuir a ansiedade e a tensão dos bichos de estimação. Mas, para Maria Isabel, o uso de medicamentos mais fortes não é recomendado devido a possíveis efeitos colaterais.


“A saúde dos animais é muito delicada e, se um cão é cardíaco e o dono não sabe, pode acabar agravando a situação. Os florais já garantem um bom resultado”, ensina.



Humanos também precisam de cuidados para evitar acidentes


Para o Corpo de Bombeiros, a queima de fogos de artifício é totalmente condenada pelos riscos que seu manuseio e armazenamento representam. Mas, para quem não abre mão da comemoração pirotécnica, alguns cuidados devem ser observados no sentido de evitar acidentes.


Primeiramente, é importante conhecer a procedência dos explosivos a serem queimados e jamais fazer uso dos que forem produzidos de maneira artesanal. Crianças e bebidas alcóolicas não devem ser envolvidas na brincadeira. “É importante, ainda, a pessoa não manter contato direto com rojões quando for lançá-los. O ideal é que seja utilizado algum tipo de suporte fixado ao chão e, depois de acender o pavio, sair de perto”, ensina o tenente José Mário de Freitas Junior, do Corpo de Bombeiros.


De acordo com ele, os fogos devem ser lançados preferencialmente em descampados, longe dos fios de alta tensão, habitações, veículos e concentração de pessoas. “Se adotadas, estas medidas ajudam a evitar graves acidentes, que podem prejudicar vidas e acabar com a festa de qualquer um”, frisa.


Em caso de acidentes, a recomendação é lavar o ferimento com água corrente, sem tocar ou aplicar qualquer substância sobre a lesão, como manteiga, creme dental, café, clara de ovo ou pomadas. A pessoa ferida deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo para o atendimento médico adequado.



Barulhentos, rojões continuam sendo os campeões de vendas


Para desespero dos animais, os rojões - os mais ruidosos dos fogos de artifício - permanecem como campeões de vendas nas lojas especializadas de Bauru. É o que garante o comerciante Ismael Henrique Patrício, que trabalha no ramo há mais de 30 anos.


“Os que mais vendem são os rojões de três e treze tiros, que custam entre R$ 10,00 e R$ 20,00. O pessoal gosta do estrondo, mas os fogos coloridos, um pouco menos barulhentos, também tem tido boa saída”, afirma.


Segundo Patrício, as vendas nesta época do ano aumentam cerca de 30% em relação a meses normais. E esta demanda maior acaba trazendo como resultado o aumento da incidência de fugas de animais, conforme destaca a médica veterinária Maria Isabel Garib.


Para quem tem bichos em casa e, em respeito a eles, se conforma em comemorar as festas de final de ano de maneira mais discreta, não faltam opções para brincar sem causar traumas aos amigos de quatro patas। “Temos muitos itens que quase não fazem barulho, como vulcõezinhos, estalinho, traque, chuva de prata, fósforo de cor e borboletinhas. Com a supervisão de adultos, garantem, inclusive, a diversão das crianças”, observa.


Jornal Cidade - Rio Claro

Tratador de Chita defende idade e identidade da macaca







Um tratador do refúgio para animais da Flórida que anunciou na quarta-feira a morte aos 81 anos da macaca Chita, companheira de Tarzan nos filmes das décadas de 1930 e 1940, defendeu ontem a idade do animal e sua identidade, posta em dúvida por várias pessoas.




"Vi a dentadura de Chita em alguns exames e, comparada com outros chimpanzés que supostamente têm entre 60 e 70 anos de idade, os dela correspondem a um símio mais velho", disse à Agência Efe Ron Priest, que foi tratador de Chita – na vida real, um chimpanzé macho – e trabalha há sete anos no Suncoast Primate Sanctuary।




O tratador, que tirou várias fotos do chimpanzé nos últimos três anos, explicou que, nas últimas imagens, feitas há duas semanas em sua jaula, é possível observar claramente a atrofia muscular e a perda de massa corporal do animal, algo que ocorre também com os humanos idosos।




Alguns especialistas e estudiosos consideram quase impossível que o chimpanzé morto tivesse sido uma das mascotes de Tarzan em seus filmes da década de 1930, uma vez que isto representaria uma longevidade extrema do animal, considerado pelo Guinness, o Livro dos Recordes, como o símio mais velho do mundo. Os chimpanzés, segundo vários primatólogos, pertencem a uma espécie que tem uma vida média de entre 40 e 50 anos.




O refúgio, porém, mantém sua versão sobre a morte de um dos supostos chimpanzés que acompanharam o ator Jonny Weissmuller em numerosas cenas de seus filmes। A instituição nunca afirmou que este fosse o único chimpanzé que interpretou Chita nos filmes de Tarzan, já que vários símios se alternavam nas filmagens.




Debbie Cobb, diretora do Suncoast Primate Sanctuary, garante ter conhecido o chimpanzé há 51 anos que, já nesta época, era um exemplar adulto। "Os avôs de Debbie criaram este lugar nos anos 1950 e eles reivindicavam que tinham recolhido Chita, como parte do legado de Weissmuller, no início dos anos 1960 na Flórida", explicou Priest.




Quanto à extraordinária longevidade do animal, que desafia o ceticismo dos especialistas, Debbie sustenta que a expectativa de vida destes símios em cativeiro pode ser maior nos refúgios graças à qualidade dos cuidados que recebem.




Chita morreu sem deixar filhotes e era o mais famoso dos 15 chimpanzés do Suncoast Primate Sanctuary, que recebeu centenas de mensagens de condolências de todas as partes do mundo e em diferentes idiomas.







Cachorro é deixado preso dentro de carro em shopping de SP


Um cão da raça poodle, de 11 anos, ficou preso dentro de um carro no estacionamento coberto do Shopping Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo, na tarde dessa sexta-feira (30). A dona do animal, Guta Oliveira, disse ao G1 ter deixado o cachorro dentro do veículo com o ar condicionado ligado. Ela foi chamada pelo sistema de som do shopping, mas disse não ter ouvido a mensagem. O cão, cujo nome é Leo, passa bem, segundo Guta.



Frequentadores do shopping acionaram a Polícia Militar e se mobilizaram em redes sociais por conta do episódio. Heloísa Foganholi, 32 anos, contou que quando chegou ao estacionamento, por volta das 16h15, o animal estava deitado. "A gente queria arrombar o carro. Mobilizamos todo mundo", disse ela.



Segundo Heloísa, um casal que chegou por volta das 13h40 já havia avisado sobre o cão preso no veículo. Dona de dois cães, a mãe de Heloísa, Neusa Carvalho Azambuja Nunes, disse estar revoltada. "Tem de ter respeito com os animais", afirmou.



O soldado da PM Emerson de Oliveira Lima disse que a polícia foi acionada às 15h30 e localizou o veiculo às 16h25. Às 17h10, com autorização do delegado de plantão, um chaveiro abriu o carro para retirar o animal. "Não tinha nenhuma fresta de vidro aberta. Quando abri a porta, o cachorro estava todo suado", afirmou.



A dona do animal disse que o cachorro ficou cerca de três horas dentro do carro. Ela chegou depois que o chaveiro havia aberto o veículo. A mulher foi conduzida até o 27º Distrito Policial para prestar esclarecimentos.

O casal de clientes que foi ao shopping por volta das 15h trocar cupons promocionais disse ao G1 que viu uma aglomeração de pessoas em volta do carro e pensou tratar-se de um acidente। "A gente viu o cachorro lá dentro e se preocupou", contou a mulher, que não quis se identificar. "O cachorro estava lá dentro e a gente ficou lá perto tentando achar uma solução. Os policiais explicaram que iam tentar esgotar todas as possibilidades", afirmou. Segundo ela, ao chegar perto do veículo, a dona do carro se assustou a ver a situação. "Elas se assustaram também. Contaram que tratam bem do cachorrinho e que têm costume deixar o animal dentro do carro", afirmou.



G1.com.br

Barulho dos fogos de artifício pode prejudicar os animais de estimação

As festas de final de ano são coloridas e animadas com o barulho e as cores dos fogos de artifício e rojões. Mas, apesar da diversão, a atividade pode assustar os animais de estimação.



Segundo a veterinária Andréa Mutti, todos os bichos de estimação sofrem com o alto volume dos fogos. "Apesar de todos sofrerem, os gatos se defendem melhor, pois se escondem em qualquer cantinho. Nessas horas, as aves que vivem em gaiola devem ser mantidas em local tranquilo para não se estressarem ou adoecerem. Mas são os cachorros que mais sofrem com esses barulhos".



Para a veterinária, o ideal é manter os cachorros em local seguro e confortável para que tenham onde se proteger. "Nunca se deve deixar um cão amarrado em coleira ou corrente nessas ocasiões. Na hora do susto, ele pode acabar se sufocando. Varandas e sacadas também são contraindicadas".



De acordo com a veterinária, é possível preparar o ambiente onde os cachorros ficarão e tratá-los com florais। "Para isso é necessário um certo planejamento e começar o tratamento uma semana antes das festas", conclui.


Bom Dia Sorocaba

sábado, 15 de outubro de 2011

Piranhas se comunicam

Equipe identificou três tipos de sons emitidos por piranhas (Foto: BBC)

Em artigo publicado na revista científica Journal of Experimental Biology, a equipe disse ter identificado três tipos de sons, cada um contendo uma “mensagem” específica.

O líder da pesquisa, Eric Parmentier, estudou sons e métodos de comunicação usados por várias espécies de peixes e acredita que esse tipo de conhecimento pode ajudar o homem a conviver melhor com a vida marinha.

Ele explicou, por exemplo, que muitas espécies usam sons para atrair um parceiro ou parceira. Nesse caso, o som se torna um importante indicador de que aquela espécie está se reproduzindo.

Parmentier já sabia que as piranhas emitem sons, mas queria entender por quê.

Experimento

Três tipos de sons foram gravados: o primeiro, semelhante a um latido, era usado quando os peixes mediam forças, confrontando uns aos outros, face a face, sem agressões físicas.

O segundo tipo, uma batida percussiva, era usado quando os peixes perseguiam uns aos outros. Um terceiro som, um grasnado mais suave, também percussivo, era usado quando as piranhas mordiam umas às outras.

As agressões físicas aconteciam, em geral, quando os peixes brigavam por comida.

Durante a maior parte do tempo, no entanto, os peixes nadaram pacificamente, sem emitir sons e sem conflitos. Somente após horas de pacientes observações os pesquisadores conseguiram capturar os comportamentos.

“Para os animais, é menos custoso (em termos de energia) fazer um monte de barulho e impressionar os outros do que lutar”, explicou Parmentier.

Vibrações

As piranhas, como muitos outros peixes “barulhentos”, produzem sons ao vibrar suas bexigas natatórias – órgãos cheios de gás que ajudam o peixe a regular sua flutuação.

A equipe também estudou os músculos que, movendo-se em altas velocidades, são responsáveis por essas vibrações.

“Esse músculo se contrai e relaxa 150 vezes por segundo para vibrar a bexiga natatória”, disse Parmentier à BBC.

A equipe espera agora poder estudar as piranhas no rio Amazonas, para aprender mais sobre o seu repertório acústico.

Fonte: BBC

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Lista de animais ameaçados de extinção no Brasil pode ser maior, diz MMA

Sauim de coleira

O sauim-de-coleira, que só existe no entorno de Manaus, é uma das espécies ameaçadas (Divulgação/Ibama)

O Brasil possui 627 espécies da fauna com risco de extinção. Cerca de 60% estão em territórios protegidos e aproximadamente 75% das áreas federais de conservação abrigam estas populações, a maioria delas na região amazônica.

Até o final deste ano, o Ministério do Meio Ambiente espera concluir 35% dos planos de ação para as espécies mais ameaçadas. A ministra Izabella Teixeira estima que até 2014, o MMA pretende concluir os planos de ação para todas as espécies ameaçadas.

A Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, contudo, pode ser maior. A atualização está sendo debatida em reunião que acontece desde início da semana por técnicos do ICMBio. Os técnicos estão avaliando a situação de 1.414 espécies brasileiras. A lista mais atualizada é de 2003.

“Até dezembro devemos chegar próximo de 2.500 espécies avaliadas, com a previsão de atingir, até 2014, a meta de 10 mil espécies previstas”, afirmou a técnica da Coordenação de Avalização do Estado de Conservação da Biodiversidade (Coabio/ICMBio) Rosana Subirá.

A divulgação da lista definitiva deve acontecer apenas em 2012, mas há possibilidade de algumas correções da atual lista ser divulgada antecipadamente, segundo a assessoria de imprensa do ICMBio.

Sauim

Segundo o Atlas de Animais em Extinção em Unidades de Conservação do governo federal lançado este ano, os animais da fauna amazonense mais ameaçados são a onça pintada, o peixe-boi e algumas espécies de primata.

O sauim-de-coleira também faz parte da lista. Atualmente, o ICMBio desenvolve um plano de ação para salvar esta espécie de primata da extinção que existe apenas no ecossistema na região do município de Manaus, Rio Preto da Eva e Itacoatiara.

O coordenador do centro nacional de pesquisa e conservação de primatas brasileiro do ICMBio, Leandro Jerusalinsky, disse ao portal acritica.com, que espera que o Plano de Ação para salvar o sauim-de-coleira já deve entrar nesta lista anunciada pela ministra.

Na próxima semana, um sumário executivo apresentando o extrato do plano de ação já será divulgado ao público.

Segundo Leandro, uma das fases é buscar financiamento privado para ajudar na execução do plano, cujos valores são orçados em R$ 8,5 milhões.

Gestão

Para cientistas e pesquisadores, até o momento, o número de espécies desconhecidas é maior que o de já identificadas. Estima-se que o território nacional abrigue cerca de 210 mil espécies, sendo 134 mil de animais e 49 mil de plantas.

A gestão adequada de espécies inclui o uso sustentável dos componentes da biodiversidade, o acesso do público às áreas de preservação e um amplo processo de participação científica, além de mais pesquisas.

Izabella acrescentou que existe uma nova agenda de conservação para 2020, e que o Brasil deve trabalhar com toda a sociedade e instituições de pesquisa para oferecer uma nova visão de proteção da biodiversidade, de acordo com as orientações das Metas de Aichi, estabelecidas em Nagoya (Japão) durante a última Conferência da Diversidade Biológica (CDB).

Durante o colóquio, os participantes também debateram os modelos jurídicos e a Política Nacional de Conservação da Biodiversidade, além da relação entre economia e diversidade biológica.

Patrimônio

O Brasil é responsável pela gestão do maior patrimônio genético do mundo, sendo considerado o País mais rico em biodiversidade do planeta.

Segundo o secretário de Biodiversidade e Florestas do MMA, Bráulio Dias, a cada ano são descritas cerca de mil novas espécies no País.Talvez possamos gastar cerca de mil anos para descrever toda a nossa diversidade biológica, avalia.

Ele afirmou ainda que a estratégia nacional de biodiversidade está em fase de atualização, e que há a intenção de se estabelecer um fórum brasileiro voltado para o tema.

No entanto, Dias alerta que, de acordo com o terceiro relatório do estudo Panorama Global da Biodiversidade, nunca houve tanta perda da diversidade biológica no mundo como nos últimos 50 anos.

Fonte: Portal A crítica

Animais abandonados tem apoio de organização em Manaus

Desde fevereiro já foram resgatados das ruas e adotados 120 animais entre cães e gatos

Desde fevereiro já foram resgatados das ruas e adotados 120 animais entre cães e gatos (Michel Dantas)

Conectadas pelo amor aos animais. Esse foi o motivo que uniu oito voluntários por meio de uma rede social e resultou na criação da Organização Bicho Amado (OBA). “Nos conhecemos por intermédio de outros grupos na Internet que fazem esse trabalho de resgate de animais para a adoção e sentimos a necessidade de criar a OBA”, explica Jaqueline Wanderlei, coordenadora da Organização Não Governamental (ONG).

A voluntária conta que a organização foi criada em fevereiro deste ano e um total de 120 animais, entre cães e gatos, já foram resgatados das ruas de Manaus e adotados por conta da divulgação na rede social facebook. “Todo o trabalho da ONG é divulgado e compartilhado pela Internet”, destaca Jaqueline. Atualmente, o grupo “Adote um Amigo Manaus” reúne 1.176 membros.

A organização mantém uma parceria com um pet shop, onde os animais resgatados recebem tratamento veterinário e depois são abrigados no sítio de Jaqueline até serem adotados. O grupo mantém os animais com a arrecadação entre os oito voluntários e o apoio dos membros da rede social. “Quem não faz parte da rede pode adicionar e entrar em contato com a gente ou ligar para o número 9155-5465. Toda doação é bem-vinda para os animais resgatados”, reforça.

Bazar

Amanhã, a Organização Bicho Amado vai promover um bazar com produtos seminovos, com preços que irão variar de R$ 1 até R$ 50 para concluir as obras de ampliação do canil onde os animais resgatados ficam abrigados e para a compra de medicamentos e itens de necessidade dos animais. “Também ficarão disponíveis para adoção oito filhotes de gatos e quatro cachorros”, acrescentou Jaqueline. O bazar será no Centro Social Urbano do bairro Parque Dez, Zona Centro Sul, a partir das 15h até as 20h.

Fonte: Portal A crítica

ONG PATA realiza mais uma feira de adoção de animais em Florianópolis

Neste sábado, 15, os clientes do Floripa Shopping poderão fazer uma boa ação e ainda levar um companheiro para casa. Em parceria com a ONG Protetores e Amigos Trabalhando pelos Animais (PATA), o empreendimento promove mais uma edição da Feira de Adoção de Animais. O projeto ocorre mensalmente, e reúne diversos cães e gatos – adultos e filhotes – resgatados do abandono ou de situações de maus tratos.

Desde 2010 o evento apresenta animais dóceis, apesar de terem sido encontrados em condições adversas. No terceiro sábado de cada mês, a ONG tem um espaço garantido no Floripa Shopping para ajudar os animais a encontrar um novo lar. Na última edição, que ocorreu em 17 de setembro, 14 bichinhos, entre cães e gatos, encontraram uma nova família. Para adotar, é preciso ter mais de 18 anos, passar por um processo seletivo e uma entrevista, apresentar CPF e RG, comprovante de residência e assinar o termo de adoção, comprometendo-se a cuidar do animal e a fornecer tudo o que ele precisar.

“A ONG Pata realiza um belo trabalho, e é maravilhoso para o Floripa Shopping oferecer espaço para uma ação solidária tão importante como essa, que envolve cuidado e carinho pelos animais”, comenta a gerente de marketing do shopping, Monica Freitas.

A finalidade da feira é que a adoção seja bem-sucedida e que, principalmente, o animal seja bem tratado. A ação conta com apoio da loja Boutiquarium, que vai presentear as pessoas que adotarem com voucher de descontos em banho, tosa e enxoval. Neste sábado, das 10h às 17h, cerca 65 animais estarão à espera de um novo lar.

SERVIÇO

O quê: Feira de adoção de animais

Quando: Sábado, 15 de outubro, das 10h às 17h

Quanto: gratuito

Onde: Floripa Shopping – Estacionamento G1


Fonte: portaldailha

Cão é agredido com pauladas ao tentar defender tutor em MS

Um homem de 32 anos foi esfaqueado durante discussão envolvendo um cão no início da madrugada desta quinta-feira (13) em Corumbá, distante 444 quilômetros de Campo Grande (MS).

Segundo a Polícia Civil, o cachorro tentou defender o tutor, quando o suspeito deu pauladas no animal. Em seguida, o tutor do cão foi questionar o homem sobre o motivo da agressão contra o cão e foi esfaqueado no tórax.

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito de ter dado a facada fugiu do local e não foi identificado. O Corpo de Bombeiros socorreu a vítima e transportou-a para o pronto socorro local, onde foi medicada e não corre risco de morte.

Não foram divulgadas informações sobre o estado do animal.


Fonte: G1

Cadela é arrastada por moto em condomínio de luxo em SP

Uma cadela com a corda no pescoço foi arrastada por uma moto, dentro de um condomínio de luxo em Araçatuba, no interior de São Paulo. De acordo com informações do boletim de ocorrência registrado pela polícia, o animal foi retirado pelo porteiro do condomínio Delta Park, ontem, após ser acionado por um dos moradores.

Segundo a polícia, a cachorra entrou em uma das casas do condomínio, que não permite animais. A dona da residência chamou o porteiro e entregou a ele uma corda para que o funcionário retirasse o animal. De acordo com o porteiro, a cachorra é mansa e foi até ele assim que ele a chamou. Ele amarrou a corda no pescoço do animal e na moto, e seguiu para a saída do condomínio. Segundo ele, a velocidade era baixa, 'para não enforcar a cadela'. Em depoimento, o porteiro disse que foi orientado a retirar todo animal que invada o condomínio.

Uma testemunha acionou a polícia, que também viu o porteiro arrastando o animal pelo asfalto. A cachorra estava com várias lesões pelo corpo, principalmente nas patas, e foi levada para o hospital veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Estadual Paulista (Unesp). O porteiro foi encaminhado à delegacia, mas não foi preso. As câmeras de segurança do condomínio serão entregues à polícia.


quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Proposta prevê regras para guarda de animal em caso de divórcio

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 1058/11, de autoria do deputado Dr. Ubiali (PSB-SP), que regula a guarda dos animais de estimação nos casos de separação judicial ou de divórcio litigioso.

Pelo projeto, a decisão quanto à guarda será tomada pelo juiz, e deverá favorecer o ex-cônjuge que for o legítimo proprietário do animal. Não havendo legítimo proprietário, a guarda poderá ser compartilhada, caso em que o juiz favorecerá a parte que demonstrar maior capacidade para o exercício da “posse responsável”.

O projeto é idêntico ao PL 7196/10, do deputado licenciado Márcio França (PSB-SP), que foi arquivado ao final da legislatura passada.

Condições
O projeto considera animal de estimação todos os pertencentes às espécies da fauna silvestre, exótica, doméstica ou domesticada, mantidos em cativeiro pelo homem, para entretenimento próprio ou de terceiros, capazes de estabelecer o convívio e a coabitação.

A guarda dos animais de estimação é classificada em unilateral, quando é concedida a apenas uma pessoa, a qual deverá provar ser seu legítimo proprietário, por meio de documento de registro idôneo onde conste o seu nome; e compartilhada, quando o exercício da posse responsável for concedido a ambas as partes.

De acordo com o texto, o juiz deverá também observar as seguintes condições: ambiente adequado para a morada do animal; disponibilidade de tempo para os cuidados com ele; condições de trato, de zelo e de sustento; grau de afinidade e afetividade entre o animal e a parte; e demais condições que considerar imprescindíveis para a sobrevivência do animal.

Divisão dos bens
Dr. Ubiali lembra que o rompimento da sociedade conjugal é um momento difícil para um casal, em que surgem controvérsias quanto à divisão dos bens, obrigação de alimentar, guarda e visitação dos filhos. Em algumas situações, emerge também o problema da posse de animais domésticos.

Nesses casos, o animal doméstico é atualmente incluído no rol dos bens a serem partilhados, de acordo com o que ditar o regime de bens do casal. “Infelizmente, nossa lei considera o animal como objeto, o que inviabiliza um acordo sobre as visitas na disputa judicial”, observa o deputado. Ele explica que o fundamento do projeto é justamente evitar que os animais continuem sendo tratados como meros objetos em caso de separação conjugal.

“Devem ser estipulados critérios objetivos para que o juiz decida sobre a guarda, tais como quem costuma levá-lo ao veterinário ou para passear, quem efetivamente assiste o animal em todas as suas necessidades básicas”, explicita Dr.Ubiali.

Ainda de acordo com a proposta, nenhuma das partes poderá, sem que a outra concorde, realizar cruzamento do animal, entregar ele ou os filhotes para fins comerciais, sob pena de reparação dos danos.

Nos casos em que ambos concordarem com o cruzamento, os filhotes resultantes deverão ser divididos em igual número, quando possível, ou em igual montante em dinheiro, calculado com base na média do preço praticado no mercado.

O texto prevê ainda regras para o caso de um dos donos do animal se casar novamente. Ele não perderá o direito de ter consigo o animal de estimação, que só lhe poderá ser retirado por mandado judicial, caso seja provado que o bicho não está sendo tratado convenientemente.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será votado pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Agência Camara dos Deputados

Polícia Ambiental apreende 342 ovos de quelônios no Porto de Manaus

Uma ação de rotina da Polícia Ambiental, realizada no início da noite desta quarta-feira (12), resultou na apreensão de 342 ovos de tracajás e mais três quelônios dessa mesma espécie, no Porto Privatizado de Manaus. Eles vinham em uma embarcação identificada como 'Arcanjo', proveniente de Boa Vista dos Ramos, a 269 km da capital.

De acordo informações do cabo Carlos Samuel , da 2ª Companhia Fluvial do Batalhão, os animais foram encontrados em situação de maus tratos. "Os quelônios estavam amarrados com fios de barbante, enrolados em sacolas plásticas e dispostos em caixas, juntamente com os ovos", informou.

Na avaliação do policial, trata-se de uma tentativa de camuflar a presença dos animais, durante as abordagens de rotina dos militares da Companhia. "Suspeitamos logo no início do procedimento de 'varredura' feito na embarcação, por conta do odor dos tracajás", disse.

Quelônios e ovos estavam escondidos em caixas (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)Quelônios e ovos estavam escondidos em caixas
(Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

Wilson Roberto Almeida, de 29 anos, e Maria Edineuza Fonseca, de 34 anos, identificados pela Polícia Ambiental como o responsável e a conferente de carga da embarcação, respectivamente, foram conduzidos ao 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

"Eles podem responder pelo crime de maus-tratos a animais, conforme o artigo 32, da Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que trata de crimes ambientais", destacou Samuel. A pena, conforme a legislação, é de detenção, de três meses a um ano, e multa.

No 1º DIP, onde foi feito um termo circunstancial de ocorrência, o casal prestou esclarecimento e já foi liberado.

Fonte: G1

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Grupo promove feira para incentivar adoção de animais em Manaus

]Raquel Gaia foi uma das veterinárias a ajudar no tratamento dos cães.









Serão 60 animais, adultos e filhotes, prontos para adoção, já castrados, vermifugados e vacinados. Terá a venda de camisetas e adesivos do grupo, bazar e café da manhã.

Manaus - O grupo de Proteção Adoção e Tratamento Animal (P.A.T.A.) está promovendo a I Feira de Adoção de Animais, no próximo sábado, a partir das 8h, no Shopping da Natureza localizado na Rua Visconde de Santa Cruz, 49, Parque da Laranjeiras, próximo ao condomínio São Judas Tadeu.

Serão 60 animais, adultos e filhotes, prontos para adoção, já castrados, vermifugados e vacinados. Terá a venda de camisetas e adesivos do grupo, bazar e café da manhã.

A Feira tem como propósito arrecadar lucros para o tratamento e vacinas dos animais resgatados pelos voluntários. Parte do dinheiro será investido em um abrigo próprio, pois o grupo ainda trabalha com lares provisórios.

As pessoas que adquirirem animais durante a feira assinarão um termo de posse responsável, garantindo que o animal terá todos os cuidados necessários. O grupo fará visitas de acompanhamento para comprovar se o animal está bem em seu novo lar.

Aqueles que não podem adotar um animalzinho, terão a oportunidade de apadrinhá-lo. Janaína Bandeira, voluntária do grupo, explica que há muitos animais do grupo precisando de tratamento nas clínicas veterinárias e que contam com a ajuda dos padrinhos. "A pessoa que se compadecer, poderá ajudar com parte ou o tratamento desses animais, com ração ou até mesmo visitas.", ressalta.

O P.A.T.A. precisa de ajuda com ração para filhotes, comedouros e coleiras. Quem se interessar em ajudar pode entrar em contato com o grupo através do e-mail: patamanaus@gmail.com.

Lei de posse e criação

No dia 24 de agosto, foi aprovada na Câmara Municipal de Manaus, a lei que disciplina a criação, propriedade, posse, guarda, uso e transporte de cães e gatos no Município, defendendo as condições adequadas de alojamento, alimentação, saúde, higiene e bem-estar ao animal.

A Lei Nº 1.590 foi proposta pelo vereador Wilson Lira, prevê que todos os cães e gatos devem ser registrados no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) ou em clínicas veterinárias credenciadas. A lei previne, também, sobre multa em casos de maus tratos e obriga os donos a vacinar seu animal contra a raiva.

Fonte: D24am

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir