sábado, 21 de janeiro de 2012

Fecha o cerco a agressores de animais

A tecnologia em velocidade alucinante tornou-se ferramenta fundamental no combate à crueldade contra os animais। Depois da divulgação em massa pelas redes sociais do vídeo que uma enfermeira aparece espancando um cão da raça yorkshire até a morte, em novembro, o número de denúncias disparou।



Susan Yamamoto ajudou a salvar 13 cães e gatos da morte


Reinaldo Canato/Diario SP

Susan Yamamoto ajudou a salvar 13 cães e gatos da morte



No estado de São Paulo, o Disque-Denúncia (181) registrou marca inédita naquele mês: pela primeira vez na história, o tema crueldade contra os animais figurou entre os cinco temas mais denunciados ao órgão, ligado ao Instituto São Paulo contra a Violência.
E os maus-tratos contra animais continuaram a ocupar o quarto lugar no ranking de crimes em dezembro. As denúncias de violência contra os bichos cresceram 20% de 2010 para 2011.
A mobilização da sociedade em torno do tema fomentou a discussão sobre as penas consideradas brandas demais por ambientalistas, protetores de animais e até por autoridades. Para cobrar punições mais severas aos autores de torturas e matanças de animais, as mais variadas organizações não governamentais de defesa dos animais e simpatizantes pretendem realizar o que esperam ser o maior movimento sobre o tema em toda a história do país.
Segundo Allan Reinaldo Viana, um dos coordenadores do Movimento Crueldade Nunca Mais, o evento já tem adesão em quase 200 cidades em todo o país e quatro municípios no exterior. Na capital, a partir de 10h, os manifestantes deverão se reunir no vão-livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo), na Avenida Paulista e seguir em marcha até a Rua da Consolação.
“Nós queremos punição de verdade para quem maltrata animais. Eles sentem dor, frio e fome, como todo ser vivo. Não é possível que a lei ainda considere tortura e matança de animais como crime de menor potencial ofensivo”, lamentou. O delegado Wilson Correa, da divisão de Meio Ambiente, lamenta a legislação. “Infelizmente, a pena é de até um ano de detenção”, observou.
Susan Yamamoto, idealizadora da ONG Adote Um Gatinho, é uma combatente pela causa। Ela é uma das responsáveis por descobrir matança de 39 gatos e cães na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo, no último dia 12। “Na casa da suspeita, conseguimos resgatar 13 animais vivos. Alguns estão comigo ainda”, conta.




Bom Dia Sorocaba

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir