domingo, 16 de maio de 2010

Maior parque eólico do sul de Portugal produz energia e protege aves

Proteger aves migradoras como águias, abutres e cegonhas e ajudar a reduzir em 60 por cento, até 2020, o consumo energético português através de energias renováveis são algumas das potencialidades do novo parque eólico do Algarve inaugurado este domingo (16).

foto das aves em migração

Foto: Reprodução/IOL Diário

Com uma tecnologia inovadora, criada por portugueses e inspirada na NASA e na US Air Force, o novo «Parque Eólico de Barão de S. João», com 25 aerogeradores, vai permitir produzir energia para toda a população de Lagos, com a particularidade de proteger as aves migratórias através de um sistema de detecção por radar e tecnologia SGPS/PTT, que faz detecção e seguimento automático da avifauna.

O ministro da Economia, Inovação e Desenvolvimento, Vieira da Silva, que presidiu à inauguração da nova estrutura, declarou que o novo parque eólico do Algarve vai dar três contributos energéticos para a política energética em Portugal, noticia a Lusa.

«Diversifica territorialmente a produção de energia elétrica, sendo o maior parque eólico do sul do país, é uma componente da produção alternativa à importação de combustíveis sólidos e tem um sistema de controlo positivo na migração das aves», referiu Vieira da Silva.

«Este parque é mais uma importante peça numa estratégia que tem a mais elevada prioridade no nosso país», sublinhou o ministro, acrescentando que os novos aerogeradores vão contribuir para que até 2020 Portugal consiga que 60 por cento do consumo energético provenha de fontes renováveis.

Por outro lado, o sistema de detecção por radar permite localizar aves de todo o tipo. Desde pássaros do tamanho de um pardal até aves migradoras planadoras como abutres, águias e cegonhas são possíveis de detectar com a nova tecnologia instalada no maior parque eólico do Algarve.

Miguel Repas, responsável pelo desenvolvimento da nova tecnologia para parques eólicos, da empresa STRIX, referiu que os aerogeradores com o sistema de radar deverão ter que parar cerca de 150 horas por ano para proteger a biodiversidade local e das aves migratórias.

Fonte: IOL Diário

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir