quinta-feira, 1 de abril de 2010

Chocolate pode levar pets à morte

Na Páscoa, a atenção deve ser redobrada com possíveis furtos da guloseima por cães e gatos

por Danúbia Guimarães

A cafeína e teobromina presentes no chocolate são tóxicas para cães e gatos
Com a chegada da Semana Santa e da Páscoa fica difícil não resistir aos apelos dos ovos de chocolate. A guloseima é extremamente popular no País, e fica mais disponível nas prateleiras, nessa época do ano. Constituído por ingredientes altamente atraentes, não são apenas os seres humanos que acabam consumindo o produto, mas também os pets. É justamente aí que mora o perigo. Não são raros os furtos de cães e gatos, que acabam comendo o doce escondido, quando deixado em local acessível, ou ainda quando é dado pelo próprio dono.

Dentre os problemas gerados pela ingestão do chocolate destaca-se a intoxicação alimentar, diarreia, vômito, hemorragia intestinal, e em casos mais graves, até a morte. Isso porque, segundo explica o veterinário Marcelo Quinzani, diretor clínico do Hospital PetCare, o doce é composto por duas substâncias excessivamente prejudiciais aos pets. “O chocolate é constituído entre outros componentes por carboidratos, lipídios e metilxantinas, que são a teobromina e cafeína. Esses dois últimos componentes são absorvidos e são distribuídos via corrente sanguínea para diferentes partes do organismo”, explica.

O médico esclarece ainda que é “no sistema nervoso que essas substâncias vão competir com outras responsáveis pela modulação da atividade cerebral e podem provocar excitação no animal. Já no músculo cardíaco, a atividade também vai ser potencializada aumentando assim a frequência dos batimentos e levando a um descontrole dos bichos”.

Vale lembrar ainda que mesmo os produtos oferecidos pelo mercado pet e que se dizem específicos para animais, se ingeridos em excesso, também são prejudiciais. E para identificar os sintomas da ingestão excessiva de chocolate, a veterinária Fernanda Fragata, diretora do Hospital Veterinário Sena Madureira, explica que os sinais costumam aparecer entre seis a 12 horas após a ingestão. “Os sintomas incluem hiperatividade, respiração pesada, ritmo acelerado dos batimentos cardíacos, tremores musculares, distúrbios no controle de bexiga e até convulsão”.

Chocolate X Quantidade

Para se ter uma ideia do tamanho do estrago causado pela ingestão do chocolate, Fernanda informa que 28,35g da versão ao leite possui de 44 a 48 miligramas de teobromina, ao passo que a versão meio amargo, por ter mais cacau, apresenta 393 miligramas da substância tóxica. Lembrando que os sintomas já começam a surgir a partir da ingestão de 20 miligramas por kg de teobromina e cafeína.

Quinzani esclarece que quanto mais gordura o chocolate possuir, menor será o teor desta substância que ele vai concentrar, por isso, os chocolates brancos oferecem menor risco de intoxicação para cães e gatos enquanto os chocolates amargos são os mais perigosos. “Quanto mais escuro, puro e concentrado for o chocolate maior será o risco de intoxicação”, resume.

Para finalizar, os especialistas são claros na recomendação quando o assunto é prevenção: evitar dar a guloseima seja de qualquer tipo, ao animal। Isso porque infelizmente não há antídoto para intoxicações por teobromina. “A dieta balanceada de um pet deve ser sempre composta por ração e nada mais”, orienta Fernanda.

Fonte: petmag

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir