segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

30 motivos reais para seguir uma dieta vegetariana

POR MELISSA DINIZ. FOTO MÁRIO LEITE. PRODUÇÃO SANDRA TIR.
PARA A MAIORIA DAS pessoas que decidem se tornar vegetarianas, um bom motivo já é suficiente. No caso da jornalista Silvia Avanzi Calvoso, o amor aos animais falou mais alto. Militante ativa em defesa dos direitos dos bichos, ela não admite a idéia de sacrificar outro ser vivo para comer: "Ser vegetariana é o que torna a minha vida mais do que especial e acredito que a humanidade só vai dar um salto na sua evolução quando qualquer tipo de exploração animal for abolido", desabafa. Já para a terapeuta corporal Puja Punita, uma intolerância alimentar foi o estopim para a mudança: "Eu passava muito mal sempre que comia carne. Sentia o estômago pesado, cansaço e até dor de cabeça. Era como se meu corpo gastasse muita energia para digeri-la. Não valia a pena", conta. Há ainda razões religiosas, filosóficas, hábitos familiares e o receio de desenvolver doenças relacionadas à ingestão de carne. Sem falar no recente aparecimento de epidemias como a da vaca louca e da gripe do frango. Seja qual for a razão, o fato é que o número de vegetarianos vem crescendo em todo o mundo. Embora não haja estatísticas confiáveis sobre a questão em nenhum país, sabe-se que a procura por alimentos estritamente vegetais tem aumentado, seja nos supermercados, restaurantes ou nas grandes redes de fast-food, que já servem saladas, frutas e chás. Para se ter uma idéia, apenas no site de relacionamentos Orkut existem centenas de comunidades que discutem a polêmica, e isso só em língua portuguesa.
Em contrapartida, talvez não haja um tema capaz de gerar tantas dúvidas. Há quem pense, por exemplo, que aquele não come carne é desnutrido, fraco ou que tem a pele esverdeada. Tudo bobagem! A polêmica reina até mesmo entre os nutricionistas. Mas em um aspecto todos concordam: a ciência já comprovou que vegetarianos sofrem menos de obesidade, aterosclerose, doenças do coração, derrame cerebral, diabetes e qualquer tipo de câncer.
Se você se interessa pelo assunto, sente vontade de se tornar vegetariano, porém ainda tem incertezas, ou precisa de mais argumentos para se convencer, confira nas próximas páginas 30 razões essenciais para adotar esse tipo de dieta agora.
1. a obesidade é rara entre vegetarianos2. quem não come carne tem 50% menos chance de desenvolver diabetes3. mulheres vegetarianas são duas vezes menos acometidas por câncer na vesícula4. um estudo realizado por cientistas australianos constatou que o consumo de alimentos ricos em colesterol, como manteiga, carne vermelha ou queijo, aumenta o perigo de desenvolver o mal de Alzheimer5. vegetarianos têm 40% menos probabilidade de qualquer tipo de câncer6. os não-vegetarianos têm 88% mais risco de ter câncer no intestino grosso7.a mortalidade por doenças cardíacas é menor em vegetarianos e entre os que ingerem carne apenas uma vez por semana8. vegetarianos sofrem menos de hipertensão9. vegetarianos costumam ter a imunidade maior, sendo menos atingidos por doenças oportunistas 10. cientistas da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha, descobriram que mulheres que comem uma porção de cerca de 60 g de carne por dia têm 56% mais risco de ter câncer de mama11. ser vegetariano é não compactuar com o extermínio de animais12. os que não ingerem produtos de origem animal estão isentos do risco de contrair doenças transmitidas pela carne, pelo leite e seus derivados e pelos ovos13. quem não consome carne e leite ingere menos toxinas, que dificultam o funcionamento do organismo e podem causar irritação, mau humor e insônia14. os não-vegetarianos têm risco 54% maior de ter câncer de próstata15. pesquisas apontam que a osteoporose atinge menos os वेगेतारिअनोस

Carências nutricionais Quem se abstém do consumo de carnes, mesmo que apenas das vermelhas, em geral costuma ouvir protestos da família e dos amigos. As críticas são as mais variadas possíveis, apontando, quase sempre, o risco de se ficar anêmico. Segundo a nutricionista Vanessa Schmidt, de São Paulo, essa espécie de medo é infundada. "Desde que a pessoa siga a orientação nutricional de um profissional, fazendo as substituições necessárias e tomando certos cuidados, não terá nenhum tipo de problema", afirma.
Ela explica que, tanto minerais como cálcio e ferro, bem como as proteínas, podem ser adquiridos de fontes vegetais. Os dois primeiros estão presentes, por exemplo, nas verduras verde-escuras, como couve, brócolis e espinafre. Especialistas alertam, no entanto, que no caso do ferro, as hortaliças possuem uma variedade menos absorvida pelo organismo humano do que a existente em carnes, peixes e aves. Mas isso pode ser resolvido com medidas simples, como comer alimentos ricos em vitamina C, que potencializa a assimilação do metal. É importante também evitar a ingestão de bebidas e alimentos ricos em cafeína próximo às refeições. É que a substância pode comprometer a absorção dos minerais.
Leguminosas como soja, feijão e lentilhas, entre outros alimentos, oferecem proteínas de alta qualidade. Por isso, devem ser sempre consumidas.
Se há algum nutriente que pode faltar no organismo de vegetarianos é a vitamina B12, normalmente encontrada em ingredientes de origem animal। Mas esta forma de carência, que em situações extremas pode ocasionar anemia e alterações neurológicas, só acomete quem não consome nem sequer ovos ou leite. Até mesmo esses casos, entretanto, podem ser prevenidos ou corrigidos com suplementação vitamínica ou ingestão de alimentos enriquecidos. Casos especiais, como gravidez, lactação, menopausa ou primeira infância devem sempre ser orientados e acompanhados por profissionais.

Opção muito mais saudável Ao contrário do mito da desnutrição e da fraqueza, uma dieta vegetariana, se bem conduzida, costuma ser uma escolha muito mais saudável. Isso porque prioriza os alimentos de origem vegetal, que não têm colesterol e são bastante ricos em fibras. Além disso, hortaliças variadas oferecem uma gama incrível de nutrientes ao organismo. Não é à toa que o nome vegetariano tem origem na expressão latina "vegetus", que significa forte, vigoroso.
Contudo, se você pensa que para ser vegetariano precisa ser adulto, engana-se. Um exemplo disso é Pedro, o lindo bebê de Puja, de apenas 1 ano e quatro meses, que não consome nenhum alimento de origem animal. "Ele é uma criança supersaudável, nunca ficou doente. Come muitas frutas, verduras, troca qualquer refeição por um prato de melancia", diz a mãe orgulhosa. O mais interessante é que Pedro se recusa a ingerir carne ou tomar leite.
"Eu já tentei dar leite de vaca, mas ele cospe। Os avós têm medo que ele não cresça e vivem oferecendo carne. Até osso já deram para ele roer, porém não adiantou", conta Puja. Ela ressalta que, em sua casa, todos são vegetarianos e que na festa de aniversário do menino até os convidados entraram na dança: "Servi doce de gergelim e maçã assada com canela, as crianças avançaram. Quem disse que criança não gosta de comida saudável?", questiona.

Por amor aos animais "Desde muito criança manifestei um forte amor pelos animais. Não podia ver um bicho desprotegido que já pegava e levava para casa. Morava no interior de São Paulo, numa casa com quintal e sempre havia espaço para eles lá. Minha mãe reclamava, mas sempre vinha com os remedinhos certos para curar todos eles. Meu playground era um pasto nas vizinhanças, cheio de vacas, bezerros, cavalos e galinhas. Bem, gostava de todos esses também. Especialmente da cara meiga dos bezerros. Mas em casa havia carne todo dia. Eu comia porque nunca tinha ouvido falar que seria possível viver sem. Desde pequena já me questionava sobre isso, entretanto de uma forma confusa. Como é que podia ser natural comer a vaca e o bezerro de quem eu gostava tanto?
Bem, o tempo foi passando e eu vim estudar na capital. Em 1989, buscava informações a respeito da alma, do inconsciente. Por sorte, comecei a trabalhar numa revista e a diretora, Silvia Farias, era profunda estudiosa de temas holísticos. Pedi a ela a indicação de um livro para me "iniciar" nesses assuntos.
Ela me emprestou O lado oculto das coisas, de C. W. Leadbeater (ed. Pensamento). Esta obra foi um marco para o meu despertar. Nela estão contidos todos os aspectos de sofrimento e dor que causamos aos animais e como é absurdo tirarmos a vida deles por um simples prazer gastronômico.A partir daquele momento, nunca mais ingeri qualquer espécie de carne. Toda essa mudança também me levou a adotar novas atitudes perante a existência.
Passei a me envolver com proteção animal e a escrever sobre isso nas revistas em que trabalhei e trabalho. Na UMA, onde exerço a função de redatora-chefe, assino ainda duas colunas sobre o assunto: Loucas por bichos e Mundo melhor.
Nunca senti falta da carne. Pelo contrário, me sinto muito saudável desde então. Nesses 18 anos de vegetarianismo, meu peso praticamente não se alterou. Fonte de proteína? A melhor de todas: arroz com feijão ou com lentilha.
Fonte de proteína? A melhor de todas: arroz com feijão ou com lentilha. Ainda como ovos e queijos quando não é possível recusar, mas pretendo abandoná-los. Tenho certeza de que minha saúde é de ferro, pois nem gripe eu pego. Meu corpo está razoavelmente em forma, minha pele é jovem para idade que tenho e, acima de tudo, minha paz de espírito se deve a essa relação de fraternidade com os bichos." Silvia Avanzi Calvoso, jornalista.
Se você já adota algum tipo de vegetarianismo ou pretende adotar, fique atento aos nutrientes que pode estar perdendo e veja como substitui-los corretamente:
GRUPO 1 não come carne vermelha, apenas peixe e frango
Nutrientes perdidos- ácido fólico: Atua na formação dos glóbulos vermelhos। Outras fontes (leguminosas, vegetais verde-escuros, banana e melão).- vitamina E: Antioxidante que retarda o envelhecimento. Outras fontes (ovos, gérmen de trigo, verduras cruas, iogurtes, vegetais folhosos, amendoim, leite, manteiga e espinafre).- vitamina B6: Ajuda na produção de anticorpos, regula a pressão arterial e cardíaca. Outras fontes (verduras, cereais, frutas, frango, grãos, banana, melão, ovos, repolho e batata-doce).- ferro: (perde-se pouca quantidade) - proteína: Formação dos músculos. Outras fontes (ovos, leite e derivados).

GRUPO 2 consome apenas leite e derivados
Nutrientes perdidos- ferro: envolvido com a função imunológica e transporte de oxigênio para as células do corpo। Outras fontes (açaí, brócolis, feijões, banana e frutas secas). - todas as vitaminas e proteínas citadas no grupo 1.

GRUPO 3 não consome nenhuma proteína animal

Nutrientes perdidos - todos os nutrientes citados no grupo 1.- principal vitamina perdida é a vitamina B12, que exige suplementação depois de 1 ano de dieta restrita de proteína animal.- vitamina A: importante para a saúde da pele, olhos, dentes e cabelo. Outras fontes (tomate, abóbora, folhosos verde-escuros, melão e pêssego).- vitaminas do complexo B: outras fontes (batata-doce, nozes, cereais integrais, ameixa, figo, carne de soja, melão, banana, couve-flor, lentilha, batata e cenoura).
16. vegetarianos têm menos cálculos renais e biliares17. as taxas de triglicérides entre os vegetarianos são pequenas18. o risco de desenvolver câncer de mama é seis vezes maior em mulheres que consomem três ou mais ovos por semana19. os índices de mortes por infarto são de apenas 20% (mulheres) e de 31% (homens) vegetarianos20. os riscos de desenvolver diverticulite são 50% menores em vegetarianos21. a incidência de câncer pulmonar e colo-retal é mais baixa em vegetarianos22. vegetarianos têm menos derrame cerebral23. pesquisa da Unifesp constatou que uma dieta livre de carne vermelha é capaz de fazer regredir o mal de Parkinson24. os níveis de colesterol são 14% menores em ovolactovegetarianos25. uma dieta vegetariana combate a prisão de ventre26. cientistas da Universidade da Califórnia constataram que a carne vermelha e os laticínios podem inserir uma molécula estranha no organismo humano, capaz de gerar processos infecciosos na velhice, como a artrite27. o leite de vaca e seus derivados podem causar alergias, diarréia, excesso de gases, intestino preso e erupções na pele28. produtos de origem animal podem conter hormônios, antibióticos, resíduos químicos e metais prejudiciais ao organismo29. o consumo de carne vermelha piora os sintomas da TPM 30. leite de vaca, queijos amarelos, frango e carne vermelha podem agravar a enxaqueca

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir