domingo, 10 de outubro de 2010

indústria de filhotes é exibida no programa de Oprah Winfrey

Logo após a morte de sua companheira de 13 anos, uma cocker chamada Sophie, a apresentadora Oprah Winfrey se deparou com um outdoor que dizia: “Oprah, faça um programa sobre as fábricas de filhotes. Os cães precisam de você”. O responsável pelo pedido era Bill Smith , fundador da Main Line Animal Rescue.

(Foto: www.channel.nationalgeographic.com)

Todos os anos, Bill e vários voluntários resgatam centenas de animais abandonados, indesejados e vítimas de maus-tratos, cuidam e arrumam novas famílias para eles. Muitos dos animais que ele resgata vêm das fábricas de filhotes, que ele descreve como “lugares onde maus criadores se importam muito mais com os lucros do que com a saúde ou o bem-estar dos animais”. Segundo ele, um animal em uma fábrica de filhotes se depara com condições deploráveis de vida, incluindo cruzamento consanguíneo; mínimo ou nenhum cuidado veterinário , abrigo limitado e gaiolas superpovoadas.

“Nós estávamos tão frustrados… E ninguém parecia estar ajudando os animais”, diz Bill . “Eu sei que a Oprah é amante dos animais. Eu pensei que ela poderia nos ajudar a contar esta história ao mundo e educar muitas pessoas.” O outdoor realmente adiantou, e um programa sobre as fábricas de filhotes foi gravado. Antes de continuar com o programa, Oprah diz: “Acredito que, quando vocês virem, com seus próprios olhos, vocês não irão apoiar isto .”

Para ver o que acontece nas fábricas de filhotes, a repórter do programa da Oprah, Lisa Ling levou uma câmera escondida e, na companhia de Bill , fez um tour pela Pensilvânia. De acordo com a Humane Society dos Estados Unidos, existem cerca de 10 mil fábricas de filhotes operando naquele país.

Eles também visitaram dois pet shops, pois muitos dos cães que nascem nas fábricas de filhotes acabam em pet shops ou vendidos pela internet. Enquanto o proprietário da loja geralmente nega que seus animais venham de fábricas de filhotes, Bill diz que a maioria efetivamente vem destes locais.

“O fato é que o que eles estão fazendo não é ilegal” , diz Lisa. “Mas o objetivo, acredito, aqui, é fazer surgir a consciência. As pessoas vão aos pet shops e veem esses filhotinhos pequenos e fofos , e não fazem a menor ideia de onde eles vem e o que eles têm que suportar.”.

Lisa e Bill passam dois dias rastreando filhotes dos pet shops até seus criadores. Geralmente Bill pede aos criadores para dar a ele os cães que eles não querem mais, ou que planejam matar. Segundo ele, os criadores geralmente querem se livrar de fêmeas mais velhas e machos novos, pois eles precisam de apenas um ou dois cães machos para procriar com 20 fêmeas férteis. Fêmeas jovens são muito valorizadas nas fábricas de filhotes.

Em uma das fábricas de filhotes, Lisa e Bill encontraram um filhote de cockapoo ( mistura de coker com poodle) e perguntaram pela mãe dele. O criador diz que a mãe é um dos cães nas gaiolas que se encontram fora da casa. Eles seguem o criador para uma construção cheia de pequenos engradados de madeira, lotados de cães. “O espaço é tão pequeno, as mães estão pisoteando seus bebês”, diz Lisa. Muitos desses cães nunca andaram na grama durante sua vida inteira, mesmo morando em uma propriedade de 60 acres.

Procurando pela mãe dos filhotes de um labrador, eles a encontram em um pequeno curral cheio de lama . “Suas mamas foram engolidas”, mostra Bill , uma evidência de que ela teve muitas e muitas ninhadas durante sua vida.

Lisa e Bill continuam a visitar fábricas de filhotes aos arredores. Em uma delas, eles encontram cerca de 40 cães presos em gaiolas de coelhos, suspensas em um teto de um quarto que exalava cheiro de urina e fezes.

Antes de visitar outra fábrica de filhotes, Bill avisa Lisa sobre o que eles podem encontrar: “este é provavelmente o pior lugar em que já estive em toda a minha vida. Este criador tem cães correndo e girando em rodas dentro de jaulas. O criador diz que é bom para eles, pois assim eles se exercitam.” O criador não os deixou entrar na propriedade para ver os animais , mas Bill e Lisa encontraram 2 animais mortos ao lado da propriedade.

No terceiro criador, Lisa e Bill veem gaiolas ao relento, com cães da raça spitz alemão. Bill diz que os cães provavelmente nunca saíram daquelas pequenas gaiolas, e é provável que eles não saiam dali nem mesmo com o mau tempo, e podem morrer apenas pela exposição ao frio .

Durante as visitas aos criadores, Bill resgatou dezenas de animais. Para Lisa, o modo como os animais vivem é assustador. “Enquanto eu fico aliviada pelos 39 que conseguimos salvar, existem centenas que vimos ali e que continuarão nas gaiolas pelo resto de suas vidas”, diz Lisa.

Segundo Bill, muitos criadores ligam para ele para saber se ele quer buscar cães indesejados. “Nós desenvolvemos um relacionamento com algumas dessas pessoas, e na verdade esses são os criadores de bem, porque eles nos dão os animais. Muitas vezes eles nos ligam e nos dão de 45 minutos a 1 hora para a gente vir e pegar os animais antes de atirarem naqueles que eles não querem mais .É sempre impressionante para mim quando vou buscar um animal, o criador o tinha por 8 ou 9 anos e o animal não tem nem nome. Ele nunca saiu de sua jaula. Ele não sabe andar, eu tenho que carregar o animal até o carro. É de partir o coração.”

A repórter Lisa diz que uma razão para que os donos das fábricas de filhotes mantenham os animais nessas condições é cultural. “Eles não veem os animais do mesmo jeito que outros veem.E les acreditam que os homens devem dominar os animais. Muitos não parecem perceber que o que eles estão fazendo é desumano, por causa de sua educação… Como se essa fosse a maneira como as coisas devem ser. E o fato é: existe um mercado para filhotes na América.”

Bill conta que ele pergunta aos criadores por que tratam os cães tão mal . “Eles pensam que somos bobos quando viemos buscar os cães que não querem mais. Uma vez me perguntaram sobre um cocker que eu havia levado para casa, e eu disse: “ele está bem , está andando pela casa e tudo mais”. E ele disse: “você deixa este animal andar pela casa onde sua família vive?”. Eu respondi: “sim, eu deixo” . Ele não conseguia entender isso . É uma mentalidade diferente . Cães são considerados produtos agrícolas, são como uma espiga de milho.

Fomos contactados (o programa da Oprah) pelo American Kennel Club, que disse: “Os membros da AKC são pessoas que dedicam sua vida – emocional e financeiramente – para melhorar suas crias e produzir animais saudáveis e felizes. Nós incentivamos seus telespectadores a encontrar criadores responsáveis.”

Na manhã seguinte aos resgates, Lisa voltou a Main Line Animal Rescue para ver o que o grupo de voluntários estava fazendo com os cães recém-chegados, resgatados por ela e Bill, e as outras dezenas de cães, gatos e coelhos negligenciados que estavam sob os cuidados da organização.

“Cada animal resgatado tem uma consulta com o veterinário, que geralmente é a primeira consulta que eles têm em toda sua vida. Eles geralmente vivenciam mais duas primeiras vezes: seu primeiro banho e primeira tosa. Tentamos mantê-los limpos, porque eles cheiram muito, muito mal”, afirma Bill.

Para alguns cães, os cuidados médicos são urgentes. Algumas cadelas têm tumor mamário devido a anos e anos de crias e excesso de ninhadas. Segundo Bill, uma cocker pode dar à luz até 140 filhotes.

Antes de serem resgatados, muitos desses animais passaram sua vida inteira dentro de gaiolas de arame , e eles têm dificuldade em andar no chão, quando são libertados. Alguns têm as cordas vocais danificadas, para fazê-los parar de latir. Outros estão completamente sujos, com sua pelagem muito grande e imersa em urina.

Apesar das condições desumanas em que os animais vivem antes do resgate, Bill diz que geralmente eles começam a apresentar sinais de melhora em cerca de 2 semanas. “O primeiro sinal de que eles estão melhorando é quando seu rabinho começa a abanar”, diz.

De acordo com Bill, a Main Line Rescue resgatou cerca de 7 a 8 mil animais, sendo que 5 mil vieram das fábricas de filhotes. Sua missão é recolocar cada animal resgatado em uma familia amorosa, e eles são bem-sucedidos nisso. “Nós temos uma das maiores taxas de recolocação no país. Nós recolocamos cerca de 99% dos animais que resgatamos, porque temos um treinador muito bom que trabalha conosco. Temos algo que chamamos “a aula do cão tímido”, na qual fazemos terapia com eles e muitas outras coisas. É muito bom.”

Algumas semanas depois, os cães resgatados estão fazendo progressos consideráveis. Mesmo que tenham morado no mesmo lugar por anos, cães de fábricas de filhotes dificilmente têm um nome. Essa é a primeira coisa que Bill e os voluntários fazem quando chegam novos animais.

Ao longo dos anos, Bill afirma que já levou trabalho para casa : ele tem 10 cães. Segundo ele, geralmente fica com aqueles cães que a maioria das pessoas considerariam “inadotáveis” . “Eu tenho três cães cegos , dois com problemas na coluna e um que era antissocial e vivia em um ferro-velho”, diz.

Em janeiro de 2007, Bill resgatou um mestiço de maltês e poodle de um criador. O filhote cadavérico não tinha quase nenhum pelo e estava perto da morte. Bill não podia deixa-lo para trás e adotou o pequeno rapaz, que ganhou o nome de Shrimp. Hoje Shrimp é um saudável e feliz membro da matilha de Bill .

“Se você esta pensando em adotar um novo animal, faça sua primeira parada em um abrigo local . Você vai encontrar todo tipo de animal, de todas as idades, em um abrigo”, diz Oprah.

Assista a um trecho do programa (em inglês):

Considere estes fatos quando adotar um cão:

Quando se trata de um cão em uma vitrine de pet shop, às vezes, o que você vê não é o que você leva .Você pode ser enganado quando vê esses filhotes fofinhos nas vitrines das lojas. Se você procura por uma raça específica , Bill lembra que provavelmente você vai encontrar algum em um abrigo. De um terço a 50% dos animais nos abrigos, dependendo da localização, são animais de raça.

Para pessoas que ainda querem procurar um criador, Bill sugere que procure um que seja responsável. Criadores de qualidade se importam com a qualidade de vida que seus animais terão em suas novas casas e irão te entrevistar a respeito de sua casa. Uma das coisas que os fazem criadores responsáveis é que, se necessário, eles irão pegar o animal de volta mesmo 6, 7 anos depois.

Um dos presentes favoritos que a Oprah já recebeu foi um cartão de um vizinho que fez uma doação em nome dela a um abrigo de animais chamado The Lange Foundation. Ao abrir o cartão, ela viu uma mensagem “ escrita” pela cachorra que foi salva por essa doação específica.

A cachorra se chamava Salina, uma cocker cega, que estava perto de sofrer eutanásia em um abrigo superpopuloso de Los Angeles. Salina “dizia”:

“Uma manhã, nesta semana, houve uma grande euforia… Um dos cães ouviu de um funcionário que alguém da Lange Foundation viria buscar um de nós. Eu também fiquei eufórica, apesar de que eu sabia que o cachorro escolhido não seria eu. Eu era cega e velha. Eu vivi por muitos anos no jardim da casa do meu dono. Ele nunca prestou muita atenção em mim. Eu tinha minha própria casinha , e era ali que eu ficava boa parte da minha vida, especialmente quando eu não conseguia mais enxergar. Quando a moça que ia escolher o animal chegou, eu tentei parecer o melhor possível, pois eu sabia que era meu 50º dia no abrigo; meu último dia e minha última chance. A moça andou vagarosamente de uma área a outra, eu podia sentir que ela estava triste. Eu a ouvi dizer ao homem do canil ‘eu gostaria de poder levar todos eles’ . Ela passou pela minha área lotada de cachorros pela terceira vez, então ela parou e disse: ‘eu acho que vou levar aquele. O cãozinho cego’ .”

Assim a Salina foi resgatada , e imediatamente, a Oprah fez uma doação de U$ 10.000,00 para a organização.

A Lange Foundation foi criada em 1993 por Jillian Lange, uma mulher que transformou sua paixão pelos animais em seu trabalho de vida. Pelo menos duas vezes por semana, Jillian visita os abrigos de animais em Los Angeles para resgatar cães e gatos que não têm muitas chances de serem adotados. Sua missão é salvar o máximo possível de animais, antes que seja tarde demais. “Eu sei que salvar apenas um animal não é salvar o mundo, mas com certeza faz uma enorme diferença na vida deste cão”, ela diz.

Em um dia típico, Jillian vai até os abrigos e leva o máximo possível de animais que ela pode – incluindo cães que foram desfigurados ou possuem despesas médicas elevadas. “Quando eu entro no carro e deixo o local, tudo que consigo pensar são nos animais que tive que deixar para trás.”

Após resgatar os animais, Jillian os leva para seu abrigo, que já recolocou cerca de 18 mil animais em lares amorosos ao longo dos anos.

Quando Jillian recebeu uma doação em nome da Oprah, ela disse que a decisão de resgatar Salina foi fácil . “Eu Vi Salina no fundo da jaula, e no seu cartão dizia ‘ cega’ . Eu sabia que sairia dali com aquele cão. As pessoas estão sempre à procura de filhotes, cães jovens, cães de guarda. Ninguém está à procura de um cão velho e cego.

Ao mesmo tempo, um homem local chamado Jack havia perdido seu amado cocker, JoeRobbie. “Quando JoeRobbie morreu, eu nem pensava em ter outro cão tão cedo. Mas eu vi o artigo da Lange Foundation, entrei no site e apareceu Salina. Ela parecia tão indefesa.” Salina encontrou um novo lar . “Nos encontramos por algum motivo”, diz.

Infelizmente, 5 semanas depois de Jack adotar Salina, ela morreu de parada cardíaca . Jack ainda queria ajudar outro animal e recentemente adotou outro cocker chamado Juno.

Abrigos para animais por todo o país estão geralmente acima da sua capacidade , deixando pouco espaço para novos cães. Infelizmente, os cães que não são adotados sofrem eutanásia. São decisões difíceis de serem tomadas todos os dias no país, e o abrigo Fort Whort Animal passa pela dificuldade do procedimento cerca de 17 mil vezes por ano.

O gerente do abrigo, Keane Menefee, diz que o local acolheu 23 mil cães e gatos em 2007 – o que dá cerca de 50 cães por dia. Infelizmente, apenas 4 desses 50 cães são adotados diariamente. “ É triste, mas parece que há uma fila infinita de animais chegando, mas não há uma fila infinita de pessoas querendo adotá-los” .

O abrigo pratica eutanásia em mais de 40 animais por dia, e Keane tem a dificil tarefa de decidir quais animais serão sacrificados. “A decisão da eutanásia é geralmente mais difícil do que o processo em si”, diz. “Você está decidindo sobre vida e morte diariamente”.

Os animais podem ser escolhidos por várias razões, incluindo questões médicas, comportamentais ou apenas capacidade do abrigo em acolher tantos animais. Quando um animal é escolhido, um “E” na cor vermelha é marcado em sua jaula, e isto significa que ele tem apenas mais um dia para ser adotado antes de ser sacrificado.

Keane diz que colocar um animal para dormir nunca fica mais fácil para ele. “Eu tenho três cães e dois gatos, e um grande amor pelos animais. Eu sinto que quando estou colocando um deles para dormir, eu tento usar a mesma compaixão que eu teria se eu estivesse colocando um dos meus”, afirma.

Quando chega a hora, os cães são levados um a um ao laboratório de eutanásia. Depois de amordaçá-lo por questões de segurança, Keane injeta no cão uma dose letal de pentobarbital sódico, com base em seu peso. O processo leva cerca de 3 a 5 minutos. O corpo do cão é colocado em um saco plástico dentro de um freezer até a manhã seguinte, quando ele é recolhido por um serviço especializado.

No dia em que o programa da Oprah fez as gravações no abrigo dirigido por Keane, 18 cães estavam na lista para serem sacrificados, mas 3 cães foram salvos, adotados pela equipe da Harpo que estava trabalhando no programa. “Eles disseram que mudaram de ideia sobre querer filhotes novinhos em folha”, diz Oprah.

Wayne Pacelle, presidente da CEO da Humane Society dos Estados Unidos, diz que há uma maneira fácil pela qualvocê pode transformar sua paixão em ação e ajudar salvar vidas de animais. “Todos podem castrar seus cães e gatos. É melhor para eles e previne a necessidade de se matar milhões de animais . Por que estamos produzindo em massa milhões de cães para a indústria pet quando essas mortes estão acontecendo nos abrigos de todo o país? Não faz sentido.”

Segundo Oprah, “muitas pessoas entendem errado o sentido da castração dos animais. A razão pela qual tantos animais têm que passar pelo processo da eutanásia é porque nós – as pessoas que supostamente têm o cérebro pensante – não estamos utilizando nosso cérebro para fazer o que é necessário para protegê-los.”

A veterinária Shelley Rubin – que trata os animais de Oprah – diz que castrar o animal é uma das melhores coisas que você pode fazer pela saúde dele.Para os machos, a castração pode mudar o comportamento do cão para melhor. “Não há duvidas de que, se você castra um macho, você irá eliminar as chances de câncer de próstata e testículo. Mais importante, ele será um bom cão caseiro, pois não irá sair procurando fêmeas pela vizinhança. Ele vai ouvir quando você falar com ele e não vai demarcar território com urina por onde passa, incluindo sua casa.

Para fêmeas, Dr. Rubin diz que o ideal é fazer o procedimento antes do primeiro cio, quando se reduz em até 90% a chance de câncer de mama quando forem mais velhas. “Então, por que não castraríamos nossos animais?”.

Castrar é um procedimento simples . Após um rápido exame para nos certificarmos de que o animal esta saudável para a cirurgia, é dado um sedativo e anestesia . O procedimento leva de 10 a 15 minutos, e o animal pode ir pra casa no mesmo dia . Custa algum dinheiro em clínicas particulares, mas há muitos locais onde se pode fazer isso a baixo custo ouo até gratuitamente. Dinheiro não pode ser uma desculpa para não castrar seu animal.

Cuidar dos animais é uma tarefa que toda pessoa deve assumir. “É exatamente porque somos inteligentes e poderosos, que temos responsabilidade para com esses animais. Eles são indefesos sem nós e dependem de nossa boa consciência. A pior coisa é o tratamento desumano que os animais recebem nas fabricas de filhotes. É horrível. Está contribuindo para a maior crise de superpopulação de animais já vista, resultando em mais de 4 milhões de animais sacrificados todos os anos, só nos EUA.

Então, o que podemos fazer para realmente fazer a diferença ? “O que podemos fazer é recomendar fortemente que as pessoas não comprem animais em pet shops . Vá a um abrigo . Esta tem que ser sua primeira opção e sua parada. Um terço dos animais dos abrigos são de raça pura. E se você insiste em procurar um criador, visite seu local de trabalho , converse com ele . Veja as condições em que se encontram os animais, especialmente as fêmeas”, afirma Bill.

Fonte: O pequeno grande cão

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir