sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Quem é o verdadeiro amigo do homem?

Quem é o verdadeiro amigo do homem?

Donos de cães e gatos sempre acabam discutindo para defender seu pet como melhor amigo do homem. Para por fim à disputa, um estudo recente decidiu comparar as vantagens d cada animal e decidir qual é o melhor. Aspectos como inteligência, impactos na natureza e utilidade foram estudados. Mas o placar foi apertado: 6 x 5. Porém, um EMPATE TÉCNICO foi cogitado por muitos, vejamos por quê.

De acordo com o jornal “Daily Mail” especialistas compararam 11 características dos animais baseando-se em estudos científicos já publicados. Os resultados foram divulgados na revista “New Scientist” e revelaram que os felinos são melhores no quesito “cérebro maior”, por exemplo. O órgão mais desenvolvido faz com que a memória e o nível de atenção dos bichanos sejam melhores.

Os gatos também são mais populares que os cães em lares de todo o mundo. São cerca de 204 milhões nos dez países onde sua popularidade é maior, contra 173 milhões de cães nas 10 nações onde os totós são maioria. Os bichanos também conseguem chamar mais a atenção de seus donos que os cachorros, devido ao seu miado irresistível e charmoso.

Os resultados mostraram que os felinos são mais sensíveis, tem visão, audição e faro mais apurado também. Outro ponto que conta a seu favor é o fator sustentabilidade. Os gatos têm um apetite menor que os cães, ou seja, exigem menos do meio ambiente.

Por outro lado, em outros seis quesitos, os cães ganharam a disputa. A maioria deles sobre a relação íntima com os humanos, que carregam há séculos. Isso porque os cachorros dividem uma história mais longa com seus donos, sendo domesticados há mais de 135 mil anos.

Os totós também levam vantagem na habilidade de lidar com seus donos. Até mesmo um filhote de 4 meses prefere a companhia de um humano a de outro animal de mesma espécie, dizem os estudiosos. O poder de compreensão dos cachorros também é mais aguçado. Um Border Colie, por exemplo, é capaz de entender o significado de até 200 palavras.

Cães podem ainda identificar gestos humanos, como apontar o dedo em uma direção, por exemplo। Apesar disso parecer simples, pesquisas revelaram que chipanzés não são capazes de entender o significado do gesto. A habilidade de atuar como guia de deficientes visuais, policiais, bombeiros, farejadores, cães de guarda, entre outras, também contou um ponto a favor dos cachorros.

O quesito utilidade acabou desempatando a disputa. Pesquisas recentes já mostram que passear com o pet mantém o dono saudável e longe do estresse. Os cães também são aproximadores sociais, facilitando a interação com outras pessoas.

Apesar da aparente vitória dos cães há ainda quem reclame pelo menos por um EMPATE TÉCNICO. Isso porque para o caso de uma infestação de ratos, por exemplo, os felinos continuam imbatíveis .

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Receita da semana

Vídeo da Semana

Comercial do Mês

Vamos Refletir